Coronavírus mantém bolsas sob pressão. Lisboa cai mais de 1%

  • ECO
  • 25 Fevereiro 2020

Investidores continuam preocupados com evoluir do surto do coronavírus fora da China. Depois da pior sessão desde o referendo do Brexit, em 2016, as bolsas mantêm tendência de queda.

Depois da pior sessão desde o referendo sobre o Brexit, em 2016, as bolsas europeias continua a mostrar-se apreensivas com o evoluir do surto do coronavírus, que começa a ganhar outros focos de tensão fora da China. Por cá, a bolsa de Lisboa cede mais de 1% depois de ter destruído 2,2 mil milhões de euros no seu valor de mercado na última sessão.

O PSI-20, o principal índice português, recua 1,03% para 5.143,64 pontos, com as duas cotadas da família EDP sob pressão vendedora novamente. A EDP Renováveis vê os títulos recuarem 2,34% para 12,50 euros. Já a casa-mãe EDP perde 1,11% para 4,65 euros. Foram das ações que mais perderam esta segunda-feira, juntamente com o BCP. O banco liderado por Miguel Maya está em queda de 3,24% para 0,1739, o pior desempenho em Lisboa neste momento.

Lisboa e outras praças europeias iniciaram o dia com uma retoma muito tímida, mas rapidamente entraram em terreno negativo, num dia marcado pelo Carnaval, que deixará muitos participantes fora do mercado.

“O cenário de uma continuação do desmoronamento ainda não está fora das possibilidades, especialmente se caso o mercado não receber notícias animadoras“, diz André Pires, analista da XTB. “Devido às festividades de carnaval, muitos investidores estarão ausentes do mercado, o que pode levar a uma diminuição da volatilidade do mercado”, lembra ainda.

Esta terça-feira, Itália, que tem sido principal foco de tensão fora da China, registou o primeiro caso de coronavírus Covid-19 no sul do país. Trata-se de uma mulher nascida em Bérgamo, a nordeste de Milão, que estava de férias em Palermo, Sicília. O presidente da região da Sicília, Nello Musumeci, confirmou numa nota que a mulher chegou a Palermo “antes de começar a emergência (do coronavírus) na Lombardia”, no norte de Itália. O número de casos em Itália é de 231.

A principal bolsa de Milão, o FTSE MIB, perde 0,70%, depois de ontem ter afundado mais de 5%. Frankfurt, Madrid e Paris também estão em baixa de 0,35%, 0,84% e 0,48%, respetivamente. O Stoxx 600, que tem as 600 maiores cotadas europeias, desliza 0,43% para 410,10 pontos.

Nos mercados asiáticos, que já se encontram encerrados, o nipónico Nikkei fechou com uma queda de 3,2%. O Shangai composite caiu 1,1%, e o S&P/ASX 200 fechou com -1,6%.

(Notícia atualizada às 10h18)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus mantém bolsas sob pressão. Lisboa cai mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião