7 números que mostram como o vírus infetou os mercados

Com o coronavírus a galopar, está a aumentar a ansiedade dos investidores. As bolsas afundam, o petróleo também, ao mesmo tempo que os ativos refúgio brilham.

Depois de semanas em que os números foram-se avolumando na China, o coronavírus saltou para a Europa. Num ápice, o número de infetados, mas também de mortes, disparou, deixando os investidores em pânico. As bolsas europeias, mas também do resto do mundo, afundaram, o petróleo também. O “índice do medo” tocou máximos, assim como o ouro. Veja, em sete números, como o vírus que ameaça a economia global está a infetar os mercados internacionais.

-5,45%

Nenhuma outra praça financeira registou uma queda tão expressiva quanto a italiana. Enquanto o Stoxx 600 perdeu 3,84%, eliminando todos os ganhos acumulados desde o início do ano, o FTSE MIB, o índice de referência de Itália, afundou 5,45%, perante o aumento repentino do número de casos de infeção, e de mortes, com coronavírus no norte do país. Foi o maior trambolhão do índice de Milão desde o referendo do Brexit, em 2016, com as empresas de vestuário e de bens de luxo a destacarem-se nas quedas.

-2,19 mil milhões

Lisboa não conseguiu fazer diferente das restantes bolsas europeias. Registou uma forte queda, com todas as cotadas a encerrarem em “terreno” negativo, levando o PSI-20 a perder 3,53%. Esta desvalorização, também neste caso a maior desde a sessão seguinte ao referendo ao Brexit em que os britânicos votaram a favor da saída do país da União Europeia, em junho de 2016 — algo que só veio a acontecer a 31 de janeiro deste ano — levou a capitalização bolsista das cotadas do índice principal a encolher em 2,19 mil milhões de euros.

-16,37%

Todos os setores de atividade foram castigados pelos investidores, desde o retalho ao luxo. Contudo, houve um que se destacou nas quedas: o da aviação, especialmente na Europa. O Stoxx Travel & Leisure, que reúne as maiores empresas do setor, desde as companhias aéreas até às agências de viagens e às cadeias hoteleiras, perdeu mais de 6%, com a easyjet a protagonizar a queda mais acentuada. As ações da companhia low cost afundou 16%, sendo que a Ryanair, sua concorrente, perdeu 12,9%.

-5,33%

A forte queda das ações traduz a fuga de investidores de ativos considerados de risco, como são as ações. É um movimento explicado, em grande parte, pelos receios quanto ao impacto que o coronavírus poderá vir a ter na economia mundial. Num ano que já se previa de abrandamento, este vírus vem ensombrar as perspetivas, levando também muito dinheiro a sair do mercado petrolífero. Prova disso é a queda de 5,33% do preço do barril de Brent, negociado em Londres, para 55,38 dólares. Em Nova Iorque, o WTI cai 5% para 50,72 dólares.

24,13 pontos

Os receios dos investidores são muitos. A cada novo número que surge, seja de pessoas contagiadas, seja de mortes provocadas pelo vírus, aumenta a ansiedade de quem tem dinheiro no mercado, levando-os a disparem ordens de venda. Essas ordens tendem a gerar fortes variações nos mercados, fazendo aumentar a volatilidade, medida através do VIX. Aquele que é conhecido como o “índice do medo” disparou 31,7% na primeira sessão da semana, tocando nos 24,13 pontos, o nível mais elevado desde 3 de janeiro de 2019.

-0,485%

Ao mesmo tempo que tiram dinheiro das ações, ou do mercado petrolífero, os investidores procuram alternativas para o “guardarem”. Boa parte desses fundos está a ser transferido para ativos considerados seguros, como são os títulos de dívida soberana de países como os EUA, Japão ou a Alemanha. As Bunds alemãs a 10 anos valorizaram, levando a taxa a cair para “terreno” ainda mais negativo. Os juros chegaram aos -0,485%, enquanto a yield a 10 anos de Portugal está nos 0,23%.

1,87%

Melhor desempenho que os títulos de dívida soberana tem tido o ouro. O metal ganha ainda mais brilho de cada vez que se agudiza o surto do coronavírus, estando já a negociar em máximos de 2013, com o valor da onça nos 1.673 dólares.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

7 números que mostram como o vírus infetou os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião