OMS alerta que o mundo tem de se preparar para “eventual pandemia”

OMS considera “muito preocupante” o “aumento repentino” de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) avisou hoje que o mundo tem de se preparar para uma “eventual pandemia” do novo coronavírus, considerando “muito preocupante” o “aumento repentino” de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.

“Devemos concentrar-nos na contenção [da epidemia], enquanto fazemos todo o possível para nos prepararmos para uma possível pandemia“, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, numa conferência de imprensa em Genebra.

O surto teve início na cidade chinesa de Wuhan, em dezembro do ano passado, já provocou cerca de 2.592 mortos na China continental e infetou mais de 78 mil pessoas a nível mundial. A cidade de Wuhan encontra-se atualmente isolada do mundo, o que tem provocado constrangimentos junto da população, como a escassez de alimentos.

Ao longo das últimas semanas foram surgindo relatos de infeções em vários países do mundo, mas a situação agravou-se no último fim de semana com o repentino aumento de casos na Europa, mais propriamente em Itália. Estima-se mais de 200 casos de pessoas infetadas desde sexta-feira e já seis pessoas faleceram devido ao coronavírus, sendo o país europeu mais afetado até ao momento.

O Governo italiano, perante os desenvolvimentos, tem aplicado medidas de contenção do surto. Um delas foi através da colocação em quarentena de cerca de uma dúzia de cidades no norte, sendo as regiões da Lombardia e Veneto, onde estão localizadas as cidades de Milão e Veneza, estão no centro do aumento de casos de coronavírus. O carnaval de Veneza, que terminava esta terça-feira, foi interrompido no domingo, com a introdução de medidas para conter o vírus.

Nesta segunda-feira, a Comissão Europeia anunciou a mobilização de 230 milhões de euros para apoiar a luta global contra o coronavírus Covid-19 e, face aos desenvolvimentos em Itália, solicitou ao Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças uma reavaliação de risco.

“Os rápidos desenvolvimentos verificados no fim de semana em Itália mostraram o quão rapidamente a situação pode mudar”, notaram os comissários europeus da Saúde, Stella Kyriakides, e da Gestão de Crises, Janez Lenarcic em conferência de imprensa.

Face ao aumento gradual de pessoas infetadas e mortas com o vírus, a Comissão Europeia mostrou-se também preocupada com a possibilidade de haver o encerramento de fronteiras nos países da União Europeia.

(Notícia atualizada às 17h48 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OMS alerta que o mundo tem de se preparar para “eventual pandemia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião