Covid-19: Consultas online na China atingem 1,1 mil milhões

  • ECO Seguros
  • 25 Fevereiro 2020

A plataforma digital Good Doctor da chinesa Ping An, terceira maior seguradora do mundo, bateu todos os recordes desde os primeiros rumores da epidemia. A S&P diz que crise é gerível pela indústria.

A plataforma digital de serviços médicos Good Doctor, da seguradora chinesa Ping An, a terceira maior companhia do mundo após a UnitedHealth e a AXA, registou 1.100 milhões de consultas desde o início da epidemia do Covid-19. Desde janeiro último a frequência decuplicou.

O portal de saúde já era um fenómeno quando, em setembro passado, anunciou 300 milhões de clientes registados, um terço do total de chineses com acesso à Internet. Na mesma altura anunciou o lançamento da primeira de mil “clínicas em um minuto” a implantar na China. Estes postos, são pequenos quiosques sem nenhum funcionário e que opera apenas por meio de inteligência artificial. O software utilizado tem em banco de dados mais de 2 mil doenças comuns, com seus sintomas, diagnósticos e tratamentos. A partir de uma análise do quadro do paciente, o sistema identifica a doença e indica o tratamento em apenas um minuto. Caso haja necessidade de medicação, as clínicas têm cerca de 100 categorias de remédios em estoque. Se for preciso um medicamento indisponível, a pessoa pode pedi-lo pelo próprio app do Ping An Good Doctor. Não há informação sobre como estes quiosques, potenciais focos infeciosos, estão a ser geridos neste momento.

Clínica em um Minuto, da plataforma Good Doctor da Ping An: Um banco de dados mais de 2 mil doenças comuns e 100 categorias de remédios disponíveis. Inteligência Artifical analisa o paciente, identifica a doença e indica o tratamento.

As consequências para a indústria seguradora mundial são consideradas geríveis, segundo um recente relatório da agência de rating Standard & Poors (S&P). São considerados sinistros de interrupção de negócios dada a importância da China nas cadeias logísticas mundiais e poderá afetar as bolsas asiáticas mais que outras. Ainda a Ping An, registou uma quebra de cotações de apenas 0,5% na bolsa de Hong Kong desde o início do ano.

A S&P diz que é de prever maior número de participações de sinistros, mas indústria de seguros e resseguros europeia e norte americanas vão ultrapassar o momento sem problemas quanto a lucros e necessidades de capital.

Os ramos mais afetados serão Aviação, seguros de crédito e cancelamento de eventos, para além de seguros de viagem, cujo cancelamento pode estar coberto.

Os seguros de viagem estão a levar a respostas como os da seguradora AIA, em Singapura, que estendeu a cobertura ao coronavirus, mas com período de carência de 14 dias após o início do contrato. Também as coberturas de cancelamento de viagem “por qualquer razão” estão a ser subscritas com 21 dias de carência.

Em relação às vendas em geral a quebra tem sido acentuado na China onde os mais de um milhão de mediadores ativos têm sofrido com a tentativa de encontros pessoais, referenciados como essenciais para a venda de produtos Vida.

Para a S&P o Covid-19 continua a ser classificado um surto que, no pior cenário pode tornar-se uma pandemia. Nesse caso os riscos podem acentuar-se para os seguradores globais no ramo Vida, dada a mortalidade que vai provocar. No entanto, não terá expressão suficiente para afetar as contas da indústria, para além de, ligeiramente, as do primeiro trimestre de 2020.

Segundo os dados de 24 de fevereiro da Organização Mundial de Saúde existem 79.331 casos confirmados de Covid-19, dos quais 77.262 na China onde já ocorreram 2595 mortes devido ao vírus. No resto do mundo existem 2.069 casos, em 29 países e já se registaram 23 mortes.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Consultas online na China atingem 1,1 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião