Marcas de luxo enfrentam perdas de 40 mil milhões com Covid-19

  • ECO
  • 25 Fevereiro 2020

Os principais fabricantes de artigos de luxo estimam que o surto do Covid-19 em todo o mundo venha a provocar perdas até 40 mil milhões de euros.

Os principais fabricantes de artigos de luxo estimam um impacto entre 30 mil milhões a 40 mil milhões de euros nas suas receitas, na sequência do surto do coronavírus que já infetou mais de 80 mil pessoas em todo o mundo. Na China, um dos maiores mercados de luxo, as vendas “pararam repentinamente”.

Os executivos consultados pelas consultoras Alliance Bernstein e Boston Consulting Group disseram esperar que a epidemia do Covid-19 reduza entre 9% a 11% as vendas globais das principais marcas e luxo.

“As vendas na China pararam repentinamente e a falta de chineses a viajar está a travar as vendas em toda a Ásia e na Europa”, notaram os responsáveis da Alliance Bernstein.

A China representa mais de um terço das receitas dos fabricantes de artigos de luxo, segundo a consultora. É também o principal foco de preocupação com o coronavírus.

O Covid-19 surgiu em dezembro em Hubei, no centro da China, e já infetou cerca de 80 mil pessoas em dezenas de países. Na China continental foram registados 77.658 casos, 2.663 dos quais mortais. Em Hong Kong há 81 casos, dois mortais, e em Macau 10 casos.

O segundo país mais afetado é a Coreia do Sul, com 977 casos e 11 mortes, seguida do Japão, com 850 casos (quatro mortais), incluindo pelo menos 691 no cruzeiro Diamond Princess, onde no sábado foi confirmada a infeção de um cidadão português.

Itália surge em quarto lugar, registando 283 casos de infeção por Covid-19, sete deles mortais, e o Irão em quinto, com 95 casos e 15 mortes.

No geral, a Alliance Bernstein baixou as perspetivas para as vendas em 6%, em média, embora os fabricantes mais expostos ao mercado chinês ou do segmento “hard luxury” sejam os mais penalizados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcas de luxo enfrentam perdas de 40 mil milhões com Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião