Injeção única no Novo Banco? “Há recetividade no abstrato”, diz Fundo de Resolução

Máximo dos Santos, que preside ao Fundo de Resolução, confirmou que há uma possibilidade de haver uma injeção única e antecipada de capital no Novo Banco.

Luís Máximo dos Santos adiantou esta quarta-feira no Parlamento que há “recetividade no abstrato” em relação a uma eventual injeção única e antecipada de capital no Novo Banco, deixando de haver mais injeções. Para o Fundo de Resolução, esta possibilidade poderia “reduzir a incerteza com um valor que fosse significativamente abaixo do limite máximo” que o banco pode pedir.

“É perfeitamente normal que todos os participantes neste processo, que gera desgaste, pensem em soluções que melhor acautelem o interesse público”, começou por dizer o presidente do Fundo de Resolução.

“Partindo do princípio que antecipação do dinheiro diminuiria a incerteza que é sempre nociva neste setor, e aumentaria a previsibilidade, isso levou a que houvesse uma recetividade em abstrato tanto do Fundo de Resolução, Novo Banco, Lone Star e Governo, com quem houve reuniões. Mas, sublinho, foi uma recetividade em abstrato”, disse Máximo dos Santos aos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças.

“O limite ficaria razoavelmente abaixo” dos 3,9 mil milhões de euros previstos no mecanismo de capital contingente, referiu ainda o vice-governador do Banco de Portugal.

“Neste momento não há nada mais do que isso. Não há propostas, não há negociações. O que há é documentos de trabalho e o Fundo de Resolução produziu um deles. São meramente exploratórios, que não se podem considerar inseridos num processo negocial”, explicou Máximo dos Santos.

Mais tarde, Máximo dos Santos referiu que as notícias sobre este assunto “foram manifestamente exageradas” tendo em conta o que se passava na realidade. “Não sei se se chegará a uma fase de negociações”, disse ainda.

Perante as questões dos deputados, o vice-governador defendeu por mais do que uma vez as vantagens de haver uma única injeção final no Novo Banco. “Não vejo como esta matéria possa ser objeto de reparos. É um pouco o nosso dever pensar, tendo em conta as circunstâncias, outras soluções que possam ser adotadas”, disse.

“A motivação do Fundo de Resolução é poder reduzir a incerteza com um valor que fosse significativamente abaixo do limite máximo. E que fosse coerente com os dados económicos que foram reportados”, rematou Máximo dos Santos relativamente a esta tema.

(Notícia atualizada às 11h48)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Injeção única no Novo Banco? “Há recetividade no abstrato”, diz Fundo de Resolução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião