Novo Banco agrava comissões nas contas, transferências e custos do crédito da casa

O banco liderado por António Ramalho vai aumentar os custos das contas, transferências, cheques e até do crédito. Nas contas, há mesmo uma comissão que quase triplica de valor.

Depois de aumentos atrás de aumentos, os maiores bancos nacionais comprometeram-se a não voltar a agravar as comissões cobradas aos clientes. Mas nem todos estão a seguir esta estratégia. O Novo Banco prepara-se para aumentar os custos das contas, transferências e até do crédito. Nas contas, há mesmo uma comissão que quase triplica de valor.

Ao contrário do que tem acontecido na generalidade dos bancos, o Novo Banco não fez grandes revisões ao seu preçário desde a venda ao Lone Star. Desde outubro de 2017, apenas houve uma alteração, pelo que agora haverá aumentos expressivos para os clientes.

A maioria dos agravamentos de comissões agora anunciados acontece a 30 de abril. A partir dessa data, há subidas de custos em várias contas bancárias, na realização de transferências, na requisição de cheques e na compra e venda de notas estrangeiras.

No que se refere às contas à ordem e às transferências, o Novo Banco desvaloriza a dimensão das mexidas que vai proceder no seu preçário. “Relativamente às contas de depósitos à ordem, desde 2017 que o Banco não efetuava alterações ao preço das contas“, refere ao ECO fonte oficial do Novo Banco, salientando que no caso da conta à ordem normal a possibilidade de isenção manteve o mesmo critério – a partir de 35.000 de envolvimento. Ou seja, a isenção mantém nas contas mais “recheadas”. Já sobre as alterações nos encargos das transferências, a instituição liderada por António Ramalho fala em “ajustes pouco relevantes”.

No caso da conta à ordem, os clientes com recursos entre 5.000 e 35 mil euros sentem o maior agravamento de custos, com os encargos de manutenção de conta a quase triplicarem. O valor da comissão passa dos atuais 6,24 euros por ano (inclui Imposto de Selo a 4%), para 15,6 euros. Já os clientes com recursos até 5.000 euros, cujos encargos de manutenção nesta conta são os mais pesados, veem a respetiva comissão subir 5,2 euros (+8,33%), passando dos 62,4 para 67,6 euros anuais. Já os clientes com mais de 35.000 euros mantêm a isenção.

O aumento de comissões também chega aos clientes mais jovens. Nomeadamente, aos que têm a Conta NB 18.31, disponível para clientes com idade entre os 18 e os 31 anos. Aqueles que não reúnam condições para beneficiar de bonificação nessa conta, passam a pagar 37,44 euros por ano. Ou seja, mais 6,24 euros (+20%) face aos atuais 31,2 euros.

Relativamente às contas de depósitos à ordem, desde 2017 que o Banco não efetuava alterações ao preço das contas […]. Nas transferências foram ajustes pouco relevantes.

Fonte oficial do Novo Banco

Um outro conjunto de contas — NB100%, NB Seleção, NB100% Parceiro+, Serviço Assurfinance, Conta Benfica, NB100% 55+, Serviço BIC100%, NB18.31 Academia, NB100% 18.31, Serviço BIC Jovem Profissional, Conta Vencimento Empresa e Empresa I — também ficam mais caras. Há um aumento de encargos na ordem dos 10% para os clientes detentores destes serviços, o grosso dos quais já não estão disponíveis para comercialização. Aqueles que não têm bonificação nessas contas passam a pagar por ano 68,64 euros, 6,24 euros acima dos atuais 62,4 euros. Já nas contas com bonificação, o custo anual sobe 3,12 euros, dos atuais 31,2 para os 34,32 euros.

Também a conta de Serviços Mínimos Bancários sofre um ligeiro agravamento de 2,1 cêntimos (0,49%), deixando de custar 4,285 euros, para passar para os 4,306 euros anuais.

As transferências bancárias também não escapam aos acréscimos de preços. Todas as transferências pontuais não urgentes até 5.000 euros feitas ao balcão passam a custar 6,24 euros, independentemente do valor em causa. Até agora, quando se tratassem de transferências até 500 euros eram cobrados 5,2 euros. Para valores superiores, entre 500 e 5.000 euros o custo mantém-se nos 6,24 euros.

Por sua vez, as transferências online ou mobile ficam 10% mais caras. Deixam de custar 1,04 euros, para passarem a ter um custo de 1,144 euros. Através dos mesmos meios, as transferências com ordens permanentes periódicas não urgentes também encarecem. O custo atual é de 0,78 euros, e vai passar para 0,884 euros.

O agravamento dos custos também chega a um meio de pagamento que entrou muito em desuso: os cheques. A requisição de cheques sofre aumentos de encargos entre 4,34% e 23,33%. A título de exemplo, dez cheques cruzados à ordem com data de validade cuja requisição seja feita online passam a custar 17,68 euros, acima dos atuais 16,64 euros. Caso a requisição dos mesmos cheques seja feita ao balcão, o respetivo preço passa de 20,28 para 21,32 euros.

Também a compra e venda de notas estrangeiras fica mais cara aos balcões do Novo Banco. “Por caixa por operação”, segundo o preçário do Novo banco, este serviço tem atualmente um custo de 12,48 euros, valor que aumenta para 13,416 euros.

Custos do crédito da casa também sobem

Ainda antes dessas subidas, a 31 de março, o Novo Banco vai encarecer alguns encargos associados ao crédito à habitação. Nestes casos, há aumentos entre 13,33% e 18,75%, e que se enquadram num contexto em que a concessão de crédito para a compra de casa se encontra em máximos de 2008.

Relativamente às alterações de preçário neste segmento, o Novo Banco fala também em “meros ajustes de mercado em comissões com muito pouco relevância, não aplicáveis às atuais carteiras de crédito destes produtos, mas antes para resposta a pedidos específicos e pontuais de clientes”.

Os não residentes que pretendam recorrer a financiamento para a compra de casa no banco liderado por António Ramalho vão passar a pagar uma comissão de estudo de processo de 395,2 euros. Ou seja, mais 62,4 euros face aos atuais 332,8 euros. Para os restantes clientes não há mexidas nesta comissão que se mantém nos 332,8 euros.

Já a formalização da escritura fica mais cara para todos os clientes. A comissão deste serviço sobe 20,8 euros, passando de 156 para 176,8 euros.

Há outras duas comissões habitualmente associadas ao crédito à habitação que também ficam mais caras. Concretamente, a comissão por declaração de dívida e a comissão por declaração de encargo de prestações para efeitos legais. Qualquer delas tem inerente um custo de 62,4 euros atualmente. A partir do final de março vão passar a custar 72,8 euros. Ou seja, mais 10,4 euros.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Novo Banco agrava comissões nas contas, transferências e custos do crédito da casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião