Auditores e supervisores obrigam Novo Banco a reforçar imparidades

O Novo Banco tem registado imparidades a mais? Auditoria da EY e inspeção do supervisor revelaram necessidade de o banco fazer mais provisões para se proteger de eventuais perdas no futuro.

O Novo Banco teve de reforçar ligeiramente as imparidades em 2019, isto depois de uma análise da auditora EY (revisor das contas do banco) e de uma inspeção dos supervisores terem chegado à mesma conclusão de que a instituição liderada por António Ramalho teria de deixar de lado mais dinheiro para fazer face a eventuais perdas com ativos, apurou o ECO.

Um banco tem necessidade de registar imparidades quando verifica que o valor real de um ativo (por exemplo, um crédito a uma empresa) é menor do que o valor que está registado nas contas. Quando isto acontece, tem de colocar dinheiro de lado para fazer face a uma eventual perda no futuro, registando a imparidade que pode ser revertida ou não no futuro, dependendo da evolução do valor do ativo.

No caso do Novo Banco, a política de “imparização” tem levantado sido colocada em causa depois dos sucessivos pedidos significativos ao Fundo de Resolução por via do mecanismo de capital contingente que foi criado em outubro de 2017, aquando da venda de 75% do capital do banco ao fundo de private equity americano Lone Star.

Até hoje, o Novo Banco já pediu 2.000 milhões de euros: 782 milhões em 2018 e 1.149 milhões em 2019. Este ano, o pedido ao Fundo de Resolução — financiado pelos bancos do sistema e por empréstimos do Tesouro público — deverá ascender a 1.000 milhões de euros, de acordo com o Jornal de Negócios. Ou seja, em três anos esgotará mais de 75% do “plafond“.

A dimensão dos pedidos (que tem acompanhado a magnitude dos prejuízos) tem levantado dúvidas e suspeitas, nomeadamente em relação uma eventual estratégia do banco de estar a registar imparidades a mais para aproveitar ao máximo o dinheiro disponibilizado pelo Fundo de Resolução, e especialmente numa altura em que as boas condições económicas do país tem levado os outros bancos a diminuir as provisões. Será que o banco está a reconhecer mais perdas do que aquelas que devia?

Tanto a auditoria da EY como a inspeção dos supervisores da banca mostraram que o Novo Banco não está registar imparidades em excesso. Pelo contrário: há imparidades a menos. Ao que o ECO apurou, a necessidade de provisão extra em 2019 situa-se na ordem dos 50 milhões de euros.

Não é um valor relevante para o Novo Banco. Por ano, a instituição regista imparidades entre 300 milhões e 400 milhões de euros. Mas, ao todo, o dinheiro que o banco tem de lado para enfrentar potenciais perdas com ativos ascende a cerca de 3.000 milhões de euros.

Contactado pelo ECO, o banco não comenta o reforço de imparidades a que foi obrigado.

Ao contrário da venda de carteiras de malparado e das reestruturações dos créditos que estão no perímetro do mecanismo de capital contingente, que têm de ser autorizadas pelo Fundo de Resolução, o nível de imparidades sobre os ativos não tem de passar no crivo da autoridade de resolução nacional.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Auditores e supervisores obrigam Novo Banco a reforçar imparidades

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião