Vida e PPR fazem crescer Crédit Agricole Assurances

  • ECO Seguros
  • 26 Fevereiro 2020

Conjugando especialização e importância crescente na estratégia do grupo bancário, a filial de seguros do grupo Crédit Agricole aumentou a receita em 10% face a 2018.

A receita líquida do Crédit Agricole Assurances ascendeu a 9,5 mil milhões de euros em 2019, com as entradas em unidades de conta (utilizadas para rentabilizar seguros Vida e planos poupança ou reforma) a representarem 53% do total ou 5,1 mil milhões de euros do ativo acrescido, indicam números da seguradora.

A evolução reflete o sucesso da aposta no “aconselhamento abrangente de gestão de património, incluindo propostas de poupança personalizadas e adaptadas às necessidades dos aforradores, deixando-os livres para tomarem as suas próprias decisões”, salienta o comunicado da entidade agora liderada por Philippe Dumont.

O volume de negócios anual ascendeu a 37 mil milhões de euros (valor bruto), uma subida de 10% face a 2018. A área poupança-reforma contribuiu com 28,5 mil milhões (+11% face a 2018), sendo que a coleta direcionada para aplicações em unidades de conta (UC) cresceu 5,8%, e representou perto de 29% da receita bruta anual (no último trimestre, as UC responderam por 33,4% da receita bruta).

Os seguros contra danos cresceram 8%, com a receita anual a totalizar 4,5 mil milhões de euros, progredindo 8% no mercado doméstico e em 5% no negócio internacional. Neste ramo, a CA Assurances fechou exercício com 14,1 milhões de apólices, acrescentando 665 mil contratos ao longo de 2019. O crescimento nas coberturas de património e equipamento foi obra da rede de caixas regionais e filiais do antigo Crédit Lyonnais, e pela dinâmica do negócio em Itália.

Nos seguros previdência, apólices coletivas e risco prestamista, o volume de negócio ampliou-se em redor de 9%, totalizando 4 mil milhões, destacando-se o crescimento de 10% na área ligada ao seguro creditício.

O rácio combinado subiu 0,4 pontos, face a 2018, para se fixar em 95,9%, sendo que o ligeiro agravamento traduz sobretudo eventos climatéricos mais severos na segunda metade do ano, explica a companhia.

Com este desempenho operacional, a seguradora encerrou 2019 com um resultado líquido consolidado de 1,52 mil milhões de euros, em progressão anual de 3,3% excluindo efeito de elementos extraordinários.

Reafirmando o posicionamento do Agricole como maior grupo de bancassurance na Europa, a CA Assurances terminou o ano com 304,2 mil milhões de euros de ativos sob gestão (+6,6% do que um ano antes). Os ativos em UC representam perto de 23% do total.

A CA Assurances reúne o conjunto das subsidiárias de seguro do grupo Crédit Agricole em França e no mundo, consolidando as diversas marcas: Predica (Pessoas, Pensões e Reforma), Pacifica (Património e Danos), Crédit Agricole Creditor (Seguros crédito bancário) e outras filiais como La Médicale (profissionais de saúde) e a Spirica (Vida).

No início de fevereiro, num evento regional realizado pelo grupo bancário, em Sud Rhône-Alpes, Christian Rouchon, diretor no grupo, salientou que o potencial de sinergia entre o negócio segurador e a rede bancária explica porque o Crédit Agricole se tornou o “primeiro segurador de particulares em França”. Isso justifica que os seguros constituam um pilar importante no modelo estratégico do grupo bancário (banca de retalho; imobiliário e seguros), rematou.

Em julho de 2019, a CA Assurances e o espanhol Abanca decidiram avançar com uma empresa conjunta para o ramo não Vida em Espanha e Portugal. O acordo de parceria tem horizonte a 30 anos e supõe a criação de uma joint venture detida em partes iguais (50/50) para produtos tecnologicamente inovadores e diferenciados com foco no cliente. No final de outubro passado, o projeto obteve ‘luz verde’ das autoridades europeias da concorrência.

Noutra frente, a CA Assurance integra um consórcio tripartido liderado pela Engie e que assinou, recentemente, a compra de ativos hidroelétricos da Energias de Portugal (EDP).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vida e PPR fazem crescer Crédit Agricole Assurances

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião