Norges Bank reduz investimento em Portugal. Estes são as apostas do maior fundo soberano do mundo

Fundo soberano da Noruega tinha, no final do ano passado, menos participações em ações e obrigações em Portugal. Valorização dos ativos que manteve fizeram com que o montante total alterasse pouco.

O Norges Bank reduziu o número de investimentos que tem em Portugal, tanto na dívida como nas ações. Mas num ano de valorizações generalizadas, o valor dos ativos que detém no país manteve-se próximo de 1,4 mil milhões de dólares (equivalente a 1,28 mil milhões de euros), no final de 2019. O montante divide-se por 20 investimentos em ações portuguesas e seis em obrigações.

Nas ações, o fundo soberano da Noruega abandonou uma posição: na Teixeira Duarte (onde, no final de 2018, detinha 177,9 mil euros), mantendo-se como acionista em 20 outras empresas, incluindo 17 das 18 do PSI-20. A única que fica de fora é a F. Ramada, revela o relatório anual divulgado esta quinta-feira.

Por outro lado, a cotada preferida do fundo é a EDP, na qual detém 461,27 milhões de dólares em ações (2,91% do total do capital da elétrica). Na energia, o Norges Bank detém ainda participações na EDP Renováveis (27,8 milhões de dólares) e na REN (28,7 milhões de dólares). Nos três casos, as posições foram reforçadas. O mesmo não aconteceu com a Galp Energia. Num ano em que o fundo do petróleo começou a desinvestir no setor, reduziu a participação na petrolífera portuguesa para 86,9 milhões (de 152 milhões de dólares). De 1,33%, passou a ter apenas 0,63%.

Entre os restantes “pesos pesados” do índice português, o Norges Bank desinvestiu também no BCP, tendo passado a deter apenas 1,25% do capital do banco (42,9 milhões, contra os 61,2 milhões no ano anterior), na Nos (em que passou a deter 2,74% ou seja 76,1 milhões) ou na Mota-Engil (para 11,5 milhões ou 2,31% do capital).

Além de quase todas as cotadas do PSI-20, há ainda empresas que negoceiam no PSI Geral que estão no radar do Norges Bank. É o caso da Sonaecom — da qual o Norges Bank detém 4,9 milhões (0,71%) — e da Impresa — em que tem 396,5 mil (1%). Também a Sonae Indústria estava, no final do ano passado, nas escolhas do fundo, que detinha uma posição avaliada em 223 mil dólares ou 0,5% do capital.

Histórico de posições do Norges Bank em ações portuguesas

Fonte: Relatório anual do Norges Bank

Fundo tem menos dívida soberana, mas entrou nos Açores

Apesar de o maior fundo soberano do mundo ter reduzido a posição acionista em Portugal, o valor total dos investimentos em ações manteve-se praticamente inalterado graças às fortes valorizações das participações que manteve. Aliás, foi o boom nas ações globais que impulsionou os retornos do fundo no ano passado. O Norges Bank ganhou 180 mil milhões de dólares (165 mil milhões de euros), o que equivale a um retorno de 20% e representa o segundo melhor desempenho na sua história.

A nível global, o investimento no mercado acionista observou um retorno de 26%, ficando acima dos outros ativos. É o caso do imobiliário (que o fundo não tem em Portugal), que rendeu 7%. Já as obrigações deram a ganhar 8%, num ano que ficou marcado pela enchente de dívida cujo preço disparou em linha com as yields negativas.

No mercado obrigacionista, o Norges Bank também reduziu em Portugal. Detinha, no final de 2019, seis investimentos em obrigações emitidas por entidades portuguesas, que totalizavam os 335,8 milhões. A maior parte do “bolo” diz respeito a dívida pública, que passou para 222,51 milhões, quase menos 100 milhões que no ano anterior. Apesar de ter reduzido nas obrigações emitidas pelo Estado, o fundo entrou na colocação de dívida feita pelos Açores (com garantias de Estado) com 22,8 milhões.

Entre outros investimentos em obrigações, o fundo era ainda detentor de dívida dos bancos Caixa Geral de Depósitos (17,4 milhões), da Caixa Económica Montepio Geral (50,9 milhões) e do BPI (12,5 milhões). No segmento de dívida de instituições financeiras, o fundo saiu assim do Santander Totta. Já no que diz respeito a empresas públicas, também houve reduções: o Norges Bank deixou de ser obrigacionista da CP – Comboios de Portugal e da IP – Infraestruturas de Portugal, mantendo-se apenas na Parpública, onde detém 9,7 milhões em obrigações.

Histórico de participações do Norges Bank em obrigações portuguesas

Fonte: Relatório anual do Norges Bank

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Norges Bank reduz investimento em Portugal. Estes são as apostas do maior fundo soberano do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião