PS quer saber se PSD vai ceder a “vertigem populista” e travar o aeroporto do Montijo

O PS vem apelar ao PSD para clarificar a sua posição quanto ao aeroporto do Montijo, acusando o partido de "bipolaridade".

Depois de o PSD reiterar que não estava disponível para alterar a lei que estabelece como necessária a unanimidade entre os municípios abrangidos para a expansão do aeroporto para o Montijo, o PS vem apelar para que o partido clarifique a posição, questionando se vai ceder a “vertigens populistas”.

“Rui Rio tem o dever de clarificar se mantém posição que foi assumida pelo Governo PSD/CDS a partir de 2013 ou se está a ceder a uma vertigem populista”, aponta José Luís Carneiro, em conferência de imprensa. O secretário-geral adjunto do PS atira ainda que o PSD parece estar a sofrer de “uma espécie de bipolaridade”.

José Luís Carneiro reitera que lhe parece “difícil que um partido cujo vice-presidente afirma que temos uma lei estúpida, e que tem responsabilidades acrescidas, não esteja disponível para uma alteração“, referindo-se às declarações de David Justino sobre as alterações à lei que iria viabilizar o aeroporto no Montijo.

Em causa está uma mudança legislativa sugerida pelo ministro das Infraestruturas, no Parlamento. Atualmente, a lei prevê que seja necessária unanimidade entre os municípios abrangidos pela expansão do aeroporto e, pelo menos uma, a Moita, já disse que se opõe. Os partidos à esquerda disseram que não iriam apoiar o Governo numa alteração à lei, bem como o PSD.

O secretário-geral adjunto do PS refere que “esta é a fase de remover o obstáculo”, mas não adianta qual será o curso de ação para o partido, apontando que “seria desejável que pelo diálogo se pudesse encontrar uma solução”. José Luís Carneiro não descarta a possibilidade de chegar a acordo com os municípios, nem com os partidos à esquerda.

(Notícia atualizada às 11h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS quer saber se PSD vai ceder a “vertigem populista” e travar o aeroporto do Montijo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião