Céu Único Europeu pode poupar 37 mil milhões por ano à economia europeia

  • Lusa
  • 3 Março 2020

Efetiva e completa implementação do Céu Único Europeu “permitiria às companhias aéreas rentabilizar" verbas, investindo, por exemplo, em novas tecnologias nas aeronaves.

A implementação incompleta do mercado único europeu da aviação está a custar às companhias aéreas, passageiros e sociedade 37 mil milhões de euros/ano por inconsistências legislativas e regulatórias nos vários Estados-membros, revela um estudo.

Apresentado durante a convenção anual da associação europeia de companhias aéreas Airlines for Europe (A4E), que decorre hoje em Bruxelas, o estudo aponta ainda que “quase metade destes custos [ou seja, cerca de 17,4 mil milhões de euros] poderia ser eliminada se fosse implementado um enquadramento regulatório atualizado do Single European Sky” (SES ou Céu Único Europeu).

Ainda assim, o mercado único da aviação é apontado como “um dos maiores feitos” da União Europeia, “permitindo que a concorrência entre companhias aéreas prospere, proporcionando aos passageiros uma melhor conetividade, reduzindo as tarifas e possibilitando a livre circulação de pessoas e bens em todo o continente europeu”.

Citado num comunicado, o diretor executivo da A4E recorda que, “em 2013, a Comissão Europeia estimou que a implementação do Single European Sky permitisse poupanças anuais de 5.000 milhões de euros”.

“Sete anos depois, este valor potencial de poupança mais do triplicou, devido à continuada ausência de uma estrutura aérea homogénea e de um enquadramento regulatório atualizado do SES”, sustenta Thomas Reynaert.

Segundo este responsável, uma efetiva e completa implementação do Céu Único Europeu “permitiria às companhias aéreas rentabilizar melhor estas verbas, por exemplo investindo-as em novas tecnologias nas aeronaves ou em combustíveis sustentáveis para a aviação”.

O estudo hoje apresentado identifica os estrangulamentos do atual sistema, assim como novas áreas que não foram anteriormente quantificadas, e conclui que “melhorias em cinco áreas chave fortaleceriam a competitividade do setor da aviação europeu no longo termo, salvaguardando empregos e conetividade e gerando, ao mesmo tempo, significativos benefícios socioeconómicos”.

Os custos socioeconómicos decorrentes da ausência de um mercado único de aviação, devido a ineficiências do espaço aéreo, são apontados como tendo um valor anual de 17,4 mil milhões de euros, enquanto a abolição das tarifas unilaterais de aviação, que “distorcem o mercado interno da União Europeia e criam um condições concorrenciais desiguais”, permitiria poupanças anuais de até 16,7 mil milhões de euros.

Já uma “mais eficaz regulação e uma melhor aplicação da diretiva europeia para as tarifas nos aeroportos europeus” permitiria economizar até 2.000 milhões de euros por ano, conclui o estudo, segundo o qual a reintrodução de controlos fronteiriços dentro do espaço Schengen e a falta de quadros adequados de pessoal estão, por sua vez, a causar atrasos aos passageiros e a gerar custos operacionais adicionais de até 1.000 milhões de euros/ano.

Outro dos estrangulamentos apontados no trabalho é a “falta de uma implementação consistente das novas regras alfandegárias na União Europeia (Union Customs Code – Código Aduaneiro da União), o que” causa custos administrativos desnecessários e prejudica a competitividade das transportadoras aéreas europeias de carga”, num montante não apurado.

“Como negócio global, a aviação é facilmente afetada por perturbações na cadeia de valor e, por isso, requer uma abordagem integrada. Apelamos à Comissão Europeia para que tome as medidas necessárias para finalmente implementar integralmente o mercado único da aviação na Europa e permitir estas poupanças para as companhias aéreas e para os passageiros”, sustenta Thomas Reynaert.

Durante a convenção que decorre hoje em Bruxelas, os presidentes executivos da A4E apelaram ainda a um esforço conjunto da indústria para que o Pacto Ecológico Europeu (Europe’s Green Deal) seja bem-sucedido, destacando a necessidade de iniciativas legislativas em quatro áreas chave: implementação do SES (que poderia reduzir em 10% as emissões de dióxido de carbono); promoção do desenvolvimento de combustíveis sustentáveis para a aviação (que poderia reduzir as emissões de dióxido de carbono do setor em até 85%); total implementação do sistema de proteção climática global da aviação “Corsia”; e investimentos e incentivos à inovação no desenvolvimento de tecnologias de motores elétricos e híbridos.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Céu Único Europeu pode poupar 37 mil milhões por ano à economia europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião