Biden vence em oito estados. Sanders lidera na Califórnia

  • Lusa e ECO
  • 4 Março 2020

Joe Biden vence em oito estados, enquanto Bernie Sanders conquista quatro, incluindo o estado da Califórnia, indicam dados preliminares.

Bernie Sanders ganhou no estado da Califórnia, mas é Biden que continua à frente nestas primárias democratas nos Estados Unidos em pelo menos oito estados: Alabama, Oklahoma, Tennessee, Virgínia, Carolina do Sul North, Arkansas, Minnesota e Massachusetts, segundo dados da Reuters.

Os oito estados que Biden ganhou distribuíram um total de 559 delegados que votarão para eleger o candidato do partido da Casa Branca para as eleições de 03 de novembro na convenção democrata, enquanto os quatro de Sanders – Califórnia, Colorado, Utah e Vermont, representam 527 delegados.

A chamada “super terça-feira”, é uma mega jornada eleitoral para eleger mais de um terço dos 3.979 delegados, que vão escolher o candidato democrata nas eleições presidenciais de 03 de novembro.

Os principais meios de comunicação norte-americanos deram a Sanders a vitória assim que fecharam as urnas na Califórnia, cuja população latina parece ter desempenhado um papel importante na vantagem do senador, que também venceu em outro estado com grande representatividade hispânica, o Colorado.

Este panorama dificulta a previsão de nomear o grande o vencedor da noite, acentuando a polarização em torno das duas alas: a moderada, representada pelo ex vice-presidente de Barack Obama, e a progressista, liderada por Sanders.

“Ainda é um pouco cedo, mas as coisas parecem muito boas”, disse Biden, que venceu seis estados do sul – Arkansas, Oklahoma, Tennessee, Alabama, Virgínia e Carolina do Norte – um do meio-oeste – Minnesota- e um do nordeste, Massachusetts.

Enquanto isso, em Vermont, Sanders enfatizou, numa indireta a Biden, que não se consegue “ganhar contra Trump com o mesmo tipo de políticas antigas”.

Sanders chegou à “super terça-feira” com uma ligeira vantagem nos delegados sobre Biden (60 contra 54) após a votação nos quatro primeiros estados: Iowa, New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul.

Antes da “super terça-feira”, alguns dos principais nomes como Pete Buttigieg, Amy Klobuchar e Beto O’Rourke abandonaram a corrida e declararam apoiar o ex-vice-presidente norte-americano de Barack Obama.

O grupo de candidatos mais bem posicionados nas sondagens está agora reduzido a quatro nomes: Bernie Sanders, Joe Biden, Elizabeth Warren e Michael Bloomberg.

O futuro da campanha presidencial da senadora Elizabeth Warren é incerto depois de ter terminado em terceiro nas primárias democratas de terça-feira no seu estado natal, Massachusetts.

Warren terminou atrás do ex-vice-presidente Joe Biden, que venceu a primária de Massachusetts, e do senador Bernie Sanders.

Para além dos resultados fracos nos quatros estados que foram a votos antes da “super terça-feira”, a senadora nunca terminou acima do terceiro lugar. Os resultados de terça-feira podem acelerar sua saída da corrida, aponta a agência de notícia AP.

Também o multimilionário Michael Bloomberg, que optou por não se apresentar nos primeiros estados e entrar só na corrida à nomeação democrata na “super terça-feira”, obteve resultados muito abaixo das suas expectativas, depois de ter gastado mais de 500 milhões de dólares na sua campanha.

Segundo a agência de notícia AP, Mike Bloomberg reavaliará na quarta-feira se deve permanecer na corrida.

(Notícia atualizada às 08h32)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Biden vence em oito estados. Sanders lidera na Califórnia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião