Governo faz estudo para o Hospital de Loures. Prepara PPP

O Governo deu "luz verde" à realização de um estudo e preparação do lançamento e adjudicação da nova parceria público-privada no Hospital de Loures.

O Governo aprovou o estudo e preparação do lançamento e adjudicação de uma nova Parceria Público-Privada (PPP) para a gestão e prestação de cuidados de saúde no Hospital de Loures, numa resolução do Conselho de Ministros publicada em Diário da República.

Esta decisão vem no seguimento de um relatório de acompanhamento da equipa de projeto da Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos, que concluiu que “existe um claro value for money da parceria, e, por outro lado, que não se encontram reunidos todos os requisitos necessários a uma decisão de renovação premial do contrato de gestão”, lê-se na resolução.

Foi assim proposta a “prossecução dos passos subsequentes para a preparação e estruturação de uma nova parceria e a adoção de todas as diligências necessárias ao desenvolvimento do procedimento pré-contratual tendente à formação do novo contrato de gestão clínica“.

O Executivo aponta que as conclusões são fundamentadas e também “compagináveis” com o compromisso do Governo de não fazer nenhuma nova PPP na gestão clínica num estabelecimento em que ela não exista, visto que “a gestão clínica do Hospital de Loures já é atualmente assegurada em regime de PPP”.

Desta forma, nesta resolução é aprovada a proposta e os pressupostos do lançamento e da adjudicação da parceria, bem como a constituição de uma equipa para preparar os estudos necessários.

O Governo anunciou em janeiro que não iria renovar o contrato com a Luz Saúde no Hospital Beatriz Ângelo por mais 10 anos e ainda não tinha adiantado qual seria a decisão relativamente ao estabelecimento.

Recentemente, o Governo decidiu avançar com um concurso para a gestão clínica do Hospital de Cascais, para celebrar uma nova PPP. Os pressupostos para o lançamento do novo contrato foram definidos em resolução de Conselho de Ministros de 13 de fevereiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo faz estudo para o Hospital de Loures. Prepara PPP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião