Governo equaciona parceria com privado para reabrir urgência pediátrica do Garcia de Orta

  • Lusa
  • 4 Março 2020

Está a ser equacionada uma parceria com uma empresa de prestação de serviços para que a urgência pediátrica Hospital Garcia de Orta reabra aos fins de semana, a partir de abril, anuncia Marta Temido.

A ministra da saúde anunciou esta quarta-feira que está a ser equacionada uma parceria com uma empresa de prestação de serviços para que a urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta reabra aos fins de semana, a partir de abril.

“Estamos em articulação com uma entidade privada que permitirá garantir o funcionamento todos os fins de semana no período noturno. A urgência ficaria coberta de quinta a domingo”, adiantou Marta Temido.

A governante falava na Comissão de Saúde do parlamento, onde está a ser ouvida pelo PSD, PCP e BE sobre o ponto de situação da unidade hospitalar, que se encontra encerrada no período noturno desde novembro, devido à falta de especialistas para assegurar a escala.

O Governo está também a equacionar a contratação de especialistas de hospitais de Lisboa, mas, neste momento, a parceria com o privado é o mais “firme” para que a urgência pediátrica reabra à noite “o mais depressa possível”.

Ainda assim, frisou que a “solução permanente” para este problema só passará “pela contratação de mais cinco pediatras” que consigam assegurar a escala de serviço.

Em janeiro, o Ministério da Saúde anunciou que ia avançar com a contratação direta de cinco pediatras para o hospital, uma vez que não houve candidaturas para as vagas abertas na especialidade de pediatria no concurso de segunda época de 2019.

No entanto, segundo Marta Temido, estas vagas também ainda não foram preenchidas, apesar de “dois recém-especialistas da próxima época terem mostrado disponibilidade para integrar a equipa”.

Por seu lado, os deputados da comissão de Saúde defenderam que os concursos ficaram vazios porque há um problema de “falta de atratividade” nas condições que são oferecidas aos especialistas.

Neste sentido, a ministra indicou que o Governo está a trabalhar para “oferecer melhores condições”.

“Vamos apostar na diferenciação daquilo que é a oferta de carreira, mas também noutras áreas que têm que ser postas em cima da mesa quando vêm trabalhar para o Serviço Nacional de Saúde. Não é só a questão remuneratória que está em cima da mesa, mas também haver projetos aliciantes”, apontou.

Em último caso, se continuar a não haver candidatos às vagas disponíveis, Marta Temido admite que poderá “equacionar a abertura de uma exploração de concessão” ao serviço de urgência pediátrica.

“Esta população precisa de uma resposta e, se não conseguirmos fazê-lo com base em concursos, temos que pensar noutras soluções”, defendeu.

A falta de especialistas já afeta o hospital há mais de um ano, quando saíram 13 pediatras para o setor privado.

Para colmatar o encerramento da urgência, foi prolongado o horário de funcionamento dos centros de saúde da Amora, no Seixal, e Rainha Dona Leonor, em Almada, das 08:00 às 00:00, nos dias de semana, e das 10:00 às 22:00, ao fim de semana.

O Hospital Garcia de Orta abrange os concelhos de Almada e Seixal, no distrito de Setúbal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo equaciona parceria com privado para reabrir urgência pediátrica do Garcia de Orta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião