Portugal preparado para reagir ao vírus “sem afetar as contas públicas”, garante Centeno

Tal como no passado, Portugal está, agora, preparado para reagir a um imprevisto, como é o caso do coronavírus. E poderá fazê-lo, diz Mário Centeno, "sem afetar as contas públicas".

Mário Centeno ainda não vê impacto do coronavírus na economia nacional, mas admite que possa vir a ter. Mas nesse caso, e tal como aconteceu no passado, nomeadamente nos incêndios do verão de 2017, o ministro das Finanças, que é também presidente do Eurogrupo, diz que o trabalho feito nos últimos anos “permite a Portugal reagir a situações imprevistas sem afetar as contas públicas”.

O “impacto [do vírus] na economia portuguesa é, ainda, cedo para antecipar”, disse Centeno, na conferência de imprensa realizada em Lisboa, após a conferência telefónica com os restantes ministro das Finanças da Zona Euro. “A economia nacional teve um comportamento muito superior ao dos restantes países do euro no final de 2019. Essa aceleração manteve-se nos primeiros meses deste ano”, diz Centeno, salientando que as “receitas mantêm-se com taxas de crescimento muito robustas”.

Agora, isto “não quer dizer que o impacto global do vírus não se venha a sentir em Portugal”, alertou o ministro das Finanças, em declarações transmitidas pela RTP3. Contudo, Centeno garante que o país está preparado para reagir, de forma a minimizar os efeitos negativos que possam resultar desta epidemia que já infetou mais de 90 mil pessoas a nível mundial, provocando a morte a mais de três mil.

Centeno diz que a política orçamental adotada nos últimos anos traz estabilidade. “Permite a Portugal reagir a situações imprevistas sem afetar as contas públicas”, notou. “Portugal não teve, no passado, qualquer hesitação em definir políticas de resposta a situações semelhantes a esta, também agora não hesitaremos”, salientou, afirmando que o excedente “não é preocupação do ministro das Finanças nem do Governo”.

Centeno garantiu que Portugal reagirá em consonância com os restantes países europeus, estando neste momento a ser avaliadas “medidas que possam ser necessárias para que não seja colocado em causa do crescimento da região”. Da reunião com os restantes ministros das Finanças, Centeno revelou que ficou acordado que poderão ser tomadas “medidas temporárias” para conseguir mitigar os efeitos do vírus, salientando que haverá flexibilidade nas metas dos programas de estabilidade, nomeadamente relativamente a Itália.

(Notícia atualizada às 15h21 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal preparado para reagir ao vírus “sem afetar as contas públicas”, garante Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião