Aviação arrasta Wall Street. American Airlines afunda 13%

Principais bolsas norte-americanas perdem mais de 3% numa altura de forte volatilidade. Investidores tentam avaliar o impacto do surto de coronavírus na economia global.

As companhias aéreas lideram as perdas em Wall Street, com o novo coronavírus a ameaçar os lucros das empresas do setor. Numa altura de forte volatilidade em que os investidores estão a tentar avaliar o impacto do surto, as principais praças norte-americanas fecharam com perdas superiores a 3%.

O índice industrial Dow Jones afundou 3,58% para 26.121,69 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 tombou 3,39% para 3.024,14 pontos e o tecnológico Nasdaq desvalorizou 3,1% para 8.738,60 pontos. As fortes perdas seguem-se a uma sessão de ganhos, sendo que a forte volatilidade tem sido a maior constante.

“Não há forma de enquadrar ou colocar num modelo o que está a acontecer porque simplesmente não sabemos fazê-lo”, disse Carol Schleif, deputychiefinvestmentoffice da Abbot Downing, à Reuters. “Os mercados estão claramente a negociar com base nas emoções e não em fundamentos porque não conseguem alicerçar fundamentos“.

Há mais de 97 mil infetados por todo o mundo, dos quais mais de três mil morreram. Nos EUA, morreram 11 pessoas e há várias cidades em estado de emergência. Algumas das maiores empresas decretaram que os trabalhadores fiquem em casa, como é o caso da empresa-mãe da Google, Alphabet. Em bolsa, a gigante tecnológica perdeu 4,84% para 1.314,76 dólares.

Mas são as companhias aéreas que estão a ser especialmente penalizadas após um aviso da International Air Transport Association sobre o potencial impacto da epidemia nas vendas de viagens de avião. A estimativa da associação aponta para uma quebra de 113 mil milhões de dólares nas receitas das companhias. A American Airlines afundou 13,44%, a Delta Air Lines caiu 7,20%, a Southwest Airlines perdeu 3,58% e a Spirit Airlines desvalorizou 18,22%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviação arrasta Wall Street. American Airlines afunda 13%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião