Novo caso de coronavírus confirmado em Portugal. Há nove infetados

  • ECO
  • 5 Março 2020

A diretora-geral de Saúde confirmou que há um novo caso de coronavírus em Portugal, em declarações à SIC Notícias. São já nove casos em Lisboa e no Porto.

A diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, confirmou que há um novo caso de coronavírus em Portugal, em declarações à SIC Notícias. Sabe-se que o paciente é um homem de 42 anos, que terá estado em Itália e que está atualmente internado no Hospital Curry Cabral, em Lisboa. Assim, sobe para nove o total de infetados com o novo Covid-19 no país.

“Portugal está felizmente, à data, numa fase de casos importados predominantemente e casos com transmissão secundária, muito poucos. Estamos fase de zona de contenção e da fase inicial de uma possível epidemia”, disse Graça Freitas, em entrevista à SIC Notícias. “A maior parte dos casos foi importado daquilo a que chamamos de uma zona com transmissão ativa do vírus.

“Temos três casos que têm ligação entre si, o que quer dizer que a partir de um houve uma cadeia de transmissão secundária. Isto não faz elevar o grau de risco ou de contenção. Seria muito diferente se, a partir desta secundária, houvesse uma transmissão para uma terceira ou quarta pessoa“, explicou a diretora-geral de Saúde.

O novo coronavírus “chegou” a Portugal na segunda-feira, depois de já vários casos suspeitos terem dado negativo. Os últimos dados da Direção Geral de Saúde indicavam que havia, esta manhã, 81 pessoas sob vigilância e 117 casos suspeitos.

Os dois primeiros casos no país são um médico de 60 anos que esteve de férias no norte de Itália e um outro homem de 33 anos que esteve em Valência, Espanha. Na terça-feira soube-se que um é um terceiro homem (de 60 anos e internado no Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto) e outro de 37 anos (internado no Hospital Curry Cabral, em Lisboa) também estavam infetados.

Na quarta-feira foram identificados dois novos casos: um homem de 44 anos, no Porto, que tinham estado em Itália e uma mulher entre os 40 e os 49 anos, residente em Lisboa. Com os novos casos identificados esta quinta-feira existem agora seis casos no Porto e três em Lisboa.

Quanto à possibilidade de novos casos, Graça Freitas diz que “ainda não se pode prever que vá haver uma disseminação porque o vírus não está na comunidade”. E clarificou: “Ainda exige que tenha passado de uma pessoa para outra e ainda identificamos a pessoa que deu origem ao segundo caso. Só dizemos que há transmissão na comunidade quando tivermos pessoas que não fazemos ideia como é que contraíram a doença, como acontece na gripe”.

Portugal para já não vai decretar estado de alerta, sendo a prioridade conter o vírus e pôr em prático os vários planos de contingência. O Governo também já anunciou uma linha de apoio financeiro às empresas que possam estar a ser afetadas. A diretora-geral de Saúde considera que o plano de reação “está a funcionar” e lembrou que esta é “uma situação extraordinária”.

A nível global, a epidemia do novo coronavírus, que provoca a doença designada por Covid-19, e que teve origem na província de Hubei, na China, já infetou mais de 95.000 pessoas, das quais 3.254 morreram e e mais de 51.000 curaram-se, segundo o último balanço do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças.

(Notícia atualizada às 15h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo caso de coronavírus confirmado em Portugal. Há nove infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião