Terminal do Barreiro não avança por violar leis ambientais

  • ECO
  • 5 Março 2020

O Governo vai cumprir o parecer desfavorável da Agência Portuguesa do Ambiente, cancelando a construção do Terminal do Barreiro.

A construção do terminal do Barreiro já não vai avançar, respeitando assim o parecer desfavorável da Agência Portuguesa do Ambiente (APA). A confirmação foi dada pelo Ministério das Infraestruturas e da Habitação em comunicado enviado às redações.

A Agência Portuguesa do Ambiente emitiu recentemente uma Declaração de Impacte Ambiental (DIA) desfavorável sobre o projeto para o novo Terminal do Barreiro. O Governo respeitará essa decisão e, como tal, o Terminal do Barreiro não avançará“, lê-se no esclarecimento divulgado esta quinta-feira pelo Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

Com esta decisão, aquela que seria um das maiores obras públicas previstas para os próximos anos em Portugal fica cancelada. De acordo com a revista Sábado, havia uma expectativa de investimento de 500 milhões de euros para esta obra. Contactado pelo ECO, o Porto de Lisboa, responsável pelo projeto, não quis prestar declarações.

Segundo o parecer da APA, citado pela TSF,sedimentos contaminados com mercúrio, arsénio, zinco, cobre, chumbo e compostos orgânicos que poderiam afetar gravemente o ambiente aquático.

Outro dos pontos apontados pela APA para “chumbar” o projeto prende-se com a construção de um aterro em pleno estuário do Tejo, que previa “um volume total de dragrados com contaminação classe 4, o segundo mais grave“, aponta ainda o jornal Setubalense, que deu a notícia do chumbo da APA, a semana passada.

Segundo apurou o ECO, a opção de aterrar os solos contaminados no Tejo, em vez de os tratar, terá sido chumbado pelos técnicos que fizeram a avaliação. Além disso, o projeto, tal como estava desenhado, violava a diretiva-quadro da água, contribuindo para a degradação da qualidade de água do estuário.

A magnitude das dragagens previstas era outro dos pontos negativos. Para a manutenção do terminal seria necessário retirar até três milhões de toneladas por ano de sedimentos, o que tem um impacto muito significativo no leito do rio e na qualidade da água.

Além disso, a construção deste terminal seria realizada muito perto do novo aeroporto do Montijo. Por isso, o parecer sublinha que a existência de gruas com uma 90 metros de altura, ultrapassavam em 40 metros os limites previstos para construções perto de aeroportos, aponta a TSF. Mas em causa estará também “conflitos possíveis” com outras infraestruturas como a ponte Chela/Barreiro, sabe o ECO.

A APA sublinha que a construção teria impactos significativos nos sistemas ecológicos, violando o Regime jurídico da Reserva Ecológica Nacional. A APA adianta ainda que as medidas de mitigação para resolver os problemas ambientais não seriam suficientes.

Ao contrário daquilo que aconteceu com o projeto do aeroporto do Montijo, para o qual a APA emitiu uma Declaração de Impacte Ambiental favorável, embora condicionada, isto é, sugeriu medidas de mitigação após o pedido de esclarecimentos adicionais, neste caso a construção foi mesmo chumbada. Com o chumbo da APA, o projeto do Porto de Lisboa fica sem efeito, obrigando à abertura de um novo concurso.

A construção do terminal de contentores do Barreiro estaria inserido no plano estratégico para o desenvolvimento do setor portuário, com o intuito de duplicar a capacidade do rio Tejo para receber contentores.

(Notícia atualizada às 12h02 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Terminal do Barreiro não avança por violar leis ambientais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião