Bastam 100 euros para ganhar um Picasso e ajudar 200.000 pessoas

No sorteio solidário "1 Picasso por 100 euros", pode ganhar um quadro original de Picasso avaliado em um milhão de euros. Os fundos servirão para a ONG Care levar água potável a milhares de pessoas.

Sete anos depois, está a decorrer a segunda edição do sorteio “1 Picasso por 100 euros”, para encontrar um novo dono para o quadro original de Picasso “Natureza Morta”, de 1921, e avaliado em um milhão de euros. Neste sorteio só tem de gastar 100 euros para se habilitar a ganhar o quadro, ao mesmo tempo que pode ajudar a fazer chegar água potável a 200.000 pessoas em Madagáscar e Marrocos. O sorteio solidário vai acontecer a 30 de março, a participação é limitada a 200.000 ofertas. Os bilhetes podem ser adquiridos na página oficial.

Todos os fundos recolhidos no sorteio serão destinados à ONG internacional Care e vão servir para construir e reabilitar poços, instalações de saneamento e latrinas em povoações e escolas nos Camarões, em Madagáscar, e nas regiões mais pobres de Marrocos, o que deverá ter um impacto direto em 200.000 pessoas.

“1 Picasso por 100 euros” é uma ideia original da apresentadora e produtora de televisão francesa, Péri Cochin. “Procurava uma ideia original para arrecadar fundos, que não fosse o típico e aborrecido jantar de gala”, explicava Cochin, a propósito da primeira edição do sorteio solidário, em 2013.

“Quando Péri Cochin veio visitar-nos pela primeira vez, aceitei de imediato a sua ideia de fazer um sorteio de beneficência que utilizava a arte como forma de ajudar os outros, porque me pareceu inovadora e atrativa. Emocionou-me profundamente o entusiasmo do público por esta iniciativa. É uma forma da nossa família continuar com o compromisso do próprio Picasso, para com as populações mais pobres e, para além disso, oferecer às outras pessoas a oportunidade de descobrir a sua obra”, comentou Claude Ruiz Picasso, filho de Pablo Picasso.

Na primeira edição foi sorteado o quadro “L’Hommeau Gibus”, original do pintor espanhol de 1914. O vencedor foi Jeffrey Gonano, um jovem de 25 anos, natural da Pensilvânia, nos EUA. O dinheiro recolhido na primeira edição –– 4,8 milhões de euros — permitiram reabilitar Tiro, uma cidade no sul do Líbano e construir uma aldeia de 1.500 metros quadrados na periferia da cidade, permitindo reavivar técnicas artesanais antigas, criar emprego e impulsionar o desenvolvimento económico naquela região. A vila foi inaugurada em 10 de setembro de 2017.

“Com um projeto tão inovador e desta magnitude, estamos a romper com os códigos estabelecidos entre doadores, indo mais longe e dirigindo-nos a um público mais amplo. O sorteio permitirá mudar a vida de 200.000 pessoas em todo o mundo. O acesso à água é o motor do desenvolvimento. Levar água a escolas permite que as meninas tenham acesso à escolarização. O tempo que as mulheres e as suas filhas dedicam a transportar água é tempo que perdem na sua vida diária”, sublinha Philippe Lévêque, diretor da ONG Care France.

Natureza Morta, Picasso, 1921D.R.

“Natureza Morta” é uma composição geométrica que representa um recorte de jornal e um copo com absinto. “Este quadro foi feito num período em que o artista sintetizava as correntes realista e o cubismo. É uma obra que te faz pensar e desperta os teus sonhos”, explica Laurent Le Bon, diretor do Museu Picasso, em Paris. O quadro que será sorteado no final do mês está exposto no museu Picasso, em Paris, e faz parte da coleção privada de David Nahmad, o maior colecionador de Picassos do mundo.

A partir deste ano, a organização prevê que o sorteio passe a acontecer todos os anos. O sorteio vai decorrer na casa de leilões Christie’s, em Paris, às 18h00 (hora local) e será transmitido em streaming na página oficial do sorteio.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bastam 100 euros para ganhar um Picasso e ajudar 200.000 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião