Quatro centrais poluentes fecharam portas na última década. Ainda há sete a gerar eletricidade em Portugal

Portugal tem ainda quatro centrais termoelétricas a cargo da EDP, mas o país conta com sete destas unidades no total.

Localizada à entrada da península da Mitrena, na zona industrial de Setúbal, nos seus tempos de glória a velhinha central da EDP consumia cerca de 5.280 toneladas de fuelóleo por dia, e durante vários anos foi fundamental para o abastecimento de energia elétrica ao país. Até à abertura da central a carvão em Sines, em 1985, era mesmo o maior centro produtor de energia a nível nacional: 1GW de potência instalada, com 4 grupos geradores. No pico de atividade, trabalharam lá cerca de 250 pessoas, lembra a EDP

Foi também a primeira central de geração de energia elétrica em Portugal a ter o Sistema de Gestão Ambiental certificado por uma entidade externa.

Cada uma das chaminés agora deitadas abaixo pela empresa Maxam, especialista na utilização de explosivos (tendo para isso sido estabelecido um perímetro de segurança urbano), mede mais de 200 metros de altura, o equivalente a um prédio de cerca de 60 andares. Durante décadas fizeram parte da paisagem do estuário do Sado e chegam a ser visíveis desde o Castelo de Palmela.

Chaminés da central da EDP, em Setúbal FOTO: Gustavo Veríssimo

Para a EDP, esta é “mais uma etapa no processo de desmantelamento da central, que iniciou a sua desativação em 2013”. Neste momento, 60% da central está demolida, projeto no qual trabalham cerca de 40 pessoas e que deverá ficar concluído no final de 2020, pela mão de um consórcio entre a Ambigroup e a Ambiservice. Para 2021 estão previstas atividades de requalificação ambiental do terreno da central, em coordenação com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

“Este processo de desmantelamento também promove a economia circular ao reaproveitar, reutilizar e reciclar grande parte (cerca de 92%) dos materiais oriundos do processo de desmantelamento e demolição”, garante a EDP. Para isso, explica a elétrica, “parte do volume dos resíduos da demolição será usado para o preenchimento de vazios resultantes do desmantelamento de equipamentos e da estrutura própria da central”.

“Com este desmantelamento da central de Setúbal, criam-se as condições para viabilizar um espaço que possa receber projetos sustentáveis”, remata a elétrica, que ainda não tem planos concretos para ocupar o espaço que agora ficará livre com a demolição.

Fases de desativação de central termoelétrica Infografia: EDP

Em 2020, Portugal tem ainda quatro centrais termoelétricas a cargo da EDP, mas o país conta com sete destas unidades no total, se somarmos a central a carvão do Pego em Abrantes, da Tejo Energia (detida pela espanhola Endesa), e as centrais a gás natural também no Pego e na Tapada do Outeiro, em Gondomar, esta última da TrustEnergy (joint-venture entre a francesa ENGIE e a japonesa Marubeni).

De acordo com a associação ambientalista Zero, as centrais a carvão de Sines e do Pego são as principais emissoras de dióxido de carbono em Portugal, responsáveis por 15% do total de emissões de dióxido de carbono-equivalente registadas em 2017. A situação mostra a urgência de substituir estas instalações por “centrais de ciclo combinado a gás natural”, numa primeira fase, e depois, “por fontes de energia limpa”, defende a associação.

No Pego, Governo e Endesa estão a estudar a possibilidade de adaptar a central para a biomassa, com um concurso que vai ser lançado este ano, enquanto em Sines, o Ministério do Ambiente e Ação Climática desafiou a EDP a estudar a adaptação da central, em si, para o hidrogénio verde, mas a empresa afasta esse cenário, para já. Segundo a Zero, a produção de eletricidade é responsável por um quinto do total de emissões de gases do país, ocupando o topo da lista dos 10 maiores poluidores.

Ainda assim, dados da APREN mostram que no primeiro mês do ano, as energias renováveis foram responsáveis por 67,9% da geração de eletricidade, enquanto as fontes fósseis ficaram com os restantes 32,1% (22,5% gás natural, 7,7% cogeração fóssil e 2% carvão). Há um ano, a eletricidade de origem poluente dizia ainda respeito a quase metade da produção (45,6%).

Na década passada fecharam portas várias gigantes poluentes da EDP como a Central do Barreiro (fecho em 2010, desmantelamento concluído), a Central do Carregado (na foto de destaque da notícia, fecho em 2012, desmantelamento em curso), a Central de Setúbal (fecho em 2013, desmantelamento em curso) e a Central de Tunes (fecho em 2014, desativação em curso).

Fonte: REN, EDP

Para o futuro da central de ciclo combinado do Ribatejo, a EDP revelou já a intenção de desenvolver um projeto-piloto de produção de hidrogénio com armazenamento, com o apoio da União Europeia. A partir de 2022 o piloto de demonstração à escala industrial terá um eletrolisador com capacidade instalada de 1MW e 12 MWh de capacidade de armazenamento.

Com este projeto, a EDP pretende “ganhar experiência na produção de hidrogénio e na sua reconversão em eletricidade”, admite a empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro centrais poluentes fecharam portas na última década. Ainda há sete a gerar eletricidade em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião