Seguros perderam quase 8.000 empregos em cinco anos

  • ECO
  • 8 Março 2020

"O setor vai viver grandes alterações num futuro próximo. Há situações que nos preocupam", diz o presidente do STAS-Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Seguradora.

Entre seguradoras e mediadores, o setor dos seguros em Portugal perdeu quase 8.000 trabalhadores em cinco anos. A estes dados recolhidos pelo Dinheiro Vivo (acesso livre), deverão ainda juntar-se trabalhadores da seguradora norte-americana Liberty em Portugal, que anunciou já este ano que vai reduzir a dois os 16 escritórios que tem no país e avançar com um plano de reestruturação, que irá incluir despedimentos.

O número de mediadores de seguros em Portugal caiu para 1.6763 no final de 2019, menos 6.700 que os 23.465 mediadores existentes no país, em 2014, segundo dados da Aprose-Associação Nacional de Agentes e Corretores de Seguros, citados pelo jornal. Além destes, as seguradoras perderam 1.020 trabalhadores, tendo passado a empregar 10.148 funcionários, segundo a APS-Associação Portuguesa de Seguradores.

Antevejo a continuação da evolução negativa do número de mediadores a operar no nosso mercado, mercê da fusão de mediadores a que já vamos assistindo, timidamente, por enquanto, mas a aumentar no futuro próximo“, disse David Pereira, presidente da Aprose, ao Dinheiro Vivo. Já Carlos Marques, presidente do STAS-Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Seguradora deixou o alerta: “O setor vai viver grandes alterações num futuro próximo. Há situações que nos preocupam”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros perderam quase 8.000 empregos em cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião