Mota-Engil aumenta lucros para 27 milhões de euros

A construtora liderada por Gonçalo Moura Martins aumentou os lucros no ano passado. Depois de ter registado resultados líquidos de 24 milhões em 2018, lucrou 27 milhões em 2019.

A Mota-Engil aumentou os lucros no ano passado. Alcançou resultados líquidos de 27 milhões de euros, isto num ano em que as receitas da construtora liderada por Gonçalo Moura Martins ascenderam a 2,8 mil milhões de euros.

Em comunicado enviado à CMVM, a empresa revela, numa base preliminar, que o resultado líquido consolidado do exercício atribuível ao Grupo ascendeu a 27 milhões de euros. Em 2018, os lucros tinham subido para 24 milhões.

Este aumento dos lucros registou-se num ano em que o volume de negócios ascendeu a 2,8 mil milhões de euros, ficando praticamente ao mesmo nível recorde que tinha sido alcançado no ano anterior. A margem operacional foi de 15%, diz a empresa, uma das poucas que apenas apresenta contas ao mercado de seis em seis meses.

Com as receitas em recorde, a Mota-Engil aponta para a carteira de encomendas, também ela a aumentar. A carteira de encomendas está, diz a empresa, “acima do guidance, subindo no segundo semestre para os 5,4 mil milhões de euros”. No final de 2018 estava em recorde, nos 5,5 mil milhões de euros.

Para dar resposta aos concursos ganhos, nomeadamente a nível internacional, a construtora continua a investir, embora este indicador tenha encolhido ligeiramente. O “investimento líquido de cerca de 260 milhões de euros” compara com os 287 milhões um ano antes, o que explica, em parte, o aumento da dívida líquida consolidada para 1,19 mil milhões. No final de 2018 estava em 953 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 8h24 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil aumenta lucros para 27 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião