BCP dispara quase 10%. Lisboa segue recuperação da Europa

Lisboa afundou na primeira sessão da semana, acompanhando o trambolhão das congéneres europeias. Está a recuperar, beneficiando da forte valorização do BCP.

Depois de perder mais de cinco mil milhões de euros na primeira sessão da semana, a bolsa nacional segue a recuperação das principais praças europeias. Lisboa está a beneficiar da correção da Galp Energia, que acompanha a subida do petróleo, mas principalmente da valorização de quase 10% das ações do BCP.

Enquanto o Stoxx 600, que chegou a entrar em bear market, ganha 0,9%, assim como a generalidade dos índices do Velho Continente, Lisboa soma 4,01% para cotar nos 4.439,74 pontos.

A puxar pelo índice de referência nacional está, principalmente, o BCP. As ações do banco liderado por Miguel Maya somam 9,41% para 13,17 cêntimos, depois de uma queda de quase 15%. A animar a cotação está a compra de 500 mil ações por parte de Nuno Amado, chairman da instituição financeira.

Nota positiva também para a Galp Energia, que ganha 6% para os 10,16 euros, isto depois do forte trambolhão registado na última sessão devido à queda dos preços do petróleo. A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva avança à boleia da recuperação das cotações da matéria-prima que registam ganhos na ordem dos 5%.

Sonae Capital, Pharol e CTT encabeçam os ganhos na bolsa nacional, mas além do BCP e da Galp Energia merecem destaque também os títulos da EDP e EDP Renováveis, que ganham 3,35% e 2,20%, respetivamente.

A Mota-Engil, um dos títulos fortemente pressionados na última sessão, soma 12,65% para 1,149 euros depois de anunciar que os seus lucros aumentaram no ano passado. A construtora ganhou 27 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 9h30 com o acentuar das valorizações no PSI-20)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP dispara quase 10%. Lisboa segue recuperação da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião