Justiça tira dois terços da pensão milionária de Jardim Gonçalves

  • ECO
  • 10 Março 2020

Ex-presidente do BCP vai perder dois terços da pensão milionária que recebe do BCP. Decisão da Relação é favorável ao banco no recurso apresentado contra a decisão do Tribunal de Sintra.

O ex-presidente do BCP, Jardim Gonçalves, vai perder perto de dois terços da pensão de 175 mil euros que recebia mensalmente do banco. A deliberação favorável ao banco foi tomada pelo Tribunal da Relação na quinta-feira, na sequência de um recurso apresentado contra uma sentença do Tribunal de Sintra, avançou o Público (acesso pago).

O BCP pagava mensalmente 175 mil euros brutos ao banqueiro, sendo que cerca de um terço provinha do fundo de pensões do banco e os restantes dois terços (cerca de 108 mil euros), correspondia a uma apólice de seguro. Entre outras coisas, o tribunal anulou o complemento de reforma pago pela Ocidental, justificando que excedia os limites de remuneração atribuídos a administradores do banco em exercício.

Em 2018, o antigo banqueiro viu o Tribunal de Sinta acompanhar o seu pedido para continuar a receber uma pensão mensal de 175 mil euros, que incluía complementos de reforma e seguros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Justiça tira dois terços da pensão milionária de Jardim Gonçalves

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião