Bolsa de Lisboa cai pela quinta sessão. Cofina afunda 16% após abortar OPA à TVI

PSI-20 voltou a cair pela quinta sessão consecutiva, devido aos maus desempenhos da Galp, BCP e EDP Renováveis. A Cofina tombou mais de 16% depois de ter abortado a operação de compra da TVI.

A bolsa nacional registou a quinta sessão de quedas esta quarta-feira, pressionado pelos maus desempenhos da Galp, BCP e EDP Renováveis. A Cofina afundou mais de 16% depois de ter abortado a operação de compra da TVI. Lá por fora o dia também foi de perdas. Tudo por causa do coronavírus, cujo surto acabou de ser declarado como uma pandemia pelas autoridades de saúde.

O PSI-20 perdeu 0,47% para 4.217,44 pontos, com 13 cotadas abaixo da linha de água. Os piores desempenhos pertenceram a Altri, Corticeira Amorim e F. Ramada, que cederam mais de 3%. Entre as ações com maior peso no índice de referência nacional, a petrolífera Galp caiu 1,8% para 9,398 euros e a EDP Renováveis perdeu 0,87% para 11,38 euros. Já o BCP recuou 0,32% para 0,1246 euros.

Fora do índice de referência nacional, a Cofina afundou 16,46% para 0,34 euros, depois de ter anunciado que abortou a oferta pública de aquisição sobre a Media Capital, dona da TVI, na sequência do falhanço do aumento de capital que iria financiar parte da operação. Em reação, os espanhóis da Prisa anunciaram que vão tomar todas as ações contra a Cofina para obrigá-la a concluir a aquisição da Media Capital.

PSI-20 cai há cinco sessões

“O PSI-20 ainda tentou esboçar uma recuperação, mas, dada a perda de ímpeto no resto da Europa, essa tentativa saldou-se num insucesso”, explicam os analistas do BPI no comentário de fecho.

Mais uma vez, a Galp e o BCP figuraram entre os títulos mais pressionados, o primeiro em virtude da incerteza que paira nos mercados petrolíferos e o segundo pela constante descida das yields de Estado”, acrescentaram.

Lá por fora, o índice de referência europeu Stoxx 600 perdeu 0,9%, enquanto os principais índices em Paris e Madrid caíram em redor de 0,70% e 0,30%, respetivamente. Em Milão, o FTSE-Mib foi dos poucos índices europeus a subir esta quarta-feira, encerrando em alta de 0,33%

(Notícia atualizada às 16h57)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa cai pela quinta sessão. Cofina afunda 16% após abortar OPA à TVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião