Prisa diz que vai tomar “todas as medidas” para forçar Cofina a comprar a TVI

A Prisa anunciou que vai tomar "todas as medidas" para tentar obrigar a Cofina a adquirir a Media Capital. Dona do Correio da Manhã desistiu do negócio durante a madrugada.

A decisão da Cofina de abortar a compra da TVI não foi bem recebida pela Prisa. A empresa espanhola, que ainda é a dona da Media Capital, acaba de anunciar que tomará “todas as medidas contra a Cofina” para obrigar a empresa a adquirir a estação de Queluz de Baixo.

Durante a madrugada, a Cofina anunciou à CMVM que não foi capaz de concretizar o aumento de capital de 85 milhões de euros que se destinaria a financiar parcialmente a operação. Em causa, o deteriorar das “condições de mercado”, numa altura em que o coronavírus tem provocado uma derrocada nas bolsas.

Já de si surpreendente, o falhanço do negócio pela Cofina conhece agora um revés ainda mais inesperado: uma declaração de guerra por parte da Prisa, que estava a vender o ativo por 205 milhões de euros, contra a empresa liderada por Paulo Fernandes.

Na visão da Prisa, a decisão da Cofina de cancelar o aumento de capital representou uma violação do acordo de compra e venda da Media Capital que tinha sido assinado entre os dois grupos. Uma posição contrária à da Cofina, que acredita que a compra do ativo estava dependente da concretização do aumento de capital.

Num comunicado remetido à CMVM pela Media Capital mas assinado pela Prisa, o grupo espanhol considera que, “de acordo com as declarações feitas pela Cofina no acordo de compra e venda e em comunicados aos mercados, a Cofina tinha os compromissos necessários para financiar a quantia requerida para completar a transação, de um lado por instituições de crédito e, de outro, pelos principais acionistas da Cofina no montante necessário para dar cobertura ao aumento de capital”.

“À luz do referido, a companhia vai iniciar a partir desta data todas as ações disponíveis contra a Cofina no prosseguimento do acordo de compra e venda”, conclui a empresa.

Em suma, na prática, a Cofina considera que, não havendo aumento de capital, não há operação. Mas a Prisa defende que, uma vez que o cancelamento do aumento de capital foi uma decisão “voluntária” da Cofina, esta continua sujeita aos termos do acordo de compra e venda.

(Notícia atualizada às 11h54 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prisa diz que vai tomar “todas as medidas” para forçar Cofina a comprar a TVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião