Cofina em mínimos históricos. Perde valor desde que falhou compra da TVI

As ações da Cofina estão a negociar em mínimos históricos. O grupo liderado por Paulo Fernandes está a perder valor desde que falhou a compra da TVI em março e vale menos de 20 milhões de euros.

As ações da Cofina na bolsa de Lisboa estão a negociar em mínimos históricos, perdendo valor praticamente desde que falhou a compra da Media Capital em março. Os títulos da dona do Correio da Manhã, CMTV e Jornal de Negócios estão a valer 19,20 cêntimos, abaixo até dos 19,50 cêntimos a que chegaram a valer no final da década de 90. E esta cotação atira a empresa para um valor de capitalização abaixo dos 20 milhões de euros.

Com 50 mil ações a trocarem de mãos, abaixo da média de 98,3 mil dos últimos três meses, o grupo está a recuar 1,54% em bolsa. Desde o início deste ano, marcado pela pandemia, o valor da Cofina já caiu em mais de metade, assumindo uma desvalorização de 22% olhando apenas para o desempenho do trimestre.

Evolução das ações da Cofina na bolsa de Lisboa

Este recuo dá-se num ano de particular adversidade económica, mas também num período marcado pela tentativa falhada de comprar a Media Capital e consequente revisão da OPA, que se mantém em curso sobre as ações da dona da TVI. Aliás, o início do recuo mais acentuado do preço dos títulos deu-se a 11 de março, dia em que a empresa desvalorizou mais de 16% após anunciar o insucesso do aumento de capital que serviria para financiar a aquisição.

Já em setembro, a Cofina revelou ter passado de lucros a um prejuízo de 1,3 milhões de euros no semestre. A deterioração da situação financeira do grupo liderado por Paulo Fernandes foi explicada com “custos não recorrentes” de 1,6 milhões de euros relacionados com essa operação, mas também “quedas significativas” em todas as rubricas de receita.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina em mínimos históricos. Perde valor desde que falhou compra da TVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião