Cofina faz ultimato à Prisa. Considera que não tem de pagar 10 milhões da caução

A Cofina deu à Prisa um "prazo de sete dias" para que o contrato de compra e venda da Media Capital seja renegociado. Considera também que não tem de pagar os 10 milhões de euros da caução.

A Cofina considera que não tem de pagar dez milhões de euros à Prisa como caução no negócio da compra da Media Capital, porque os mesmos “não são devidos”, informou à CMVM. No “entendimento” do grupo de Paulo Fernandes, o negócio da compra da TVI ainda está vivo, pelo que a empresa dá um “prazo de sete dias” à Prisa para que o contrato de compra e venda seja renegociado.

O grupo que controla o Correio da Manhã considera que o contrato de promessa de compra e venda da Media Capital, dona da TVI, não caducou pelo falhanço da operação de aumento de capital esta semana. Posto isto, em mais um revés nesta operação, a Cofina considera que quem está a violar o contrato é a própria Prisa, embatendo de frente com a empresa liderada por Manuel Mirat.

Esta sexta-feira, dia em que apresenta os resultados de 2019, a dona do Correio da Manhã informou a CMVM de que enviou uma carta ao grupo espanhol, dando-lhe um “prazo de sete dias” para que ambas as empresas se sentem à mesa das negociações, no sentido de alterar o contrato e “restabelecer um equilíbrio das prestações recíprocas conforme com os princípios da boa-fé”.

Caso a Prisa recuse, a Cofina considera o contrato sem efeito, além de defender que não tem de pagar a soma de dez milhões de euros que, apurou o ECO, estará depositada numa escrow accountuma conta bancária controlada pelas duas empresas enquanto uma transação se encontra em andamento.

Esta é a mais recente reviravolta num negócio que chegou a ser dado como concluído, numa altura em que, inclusivamente, todos os órgãos de comunicação social da Media Capital já estão em nome da Cofina nos registos da ERC. Nesta quarta tentativa, tudo apontava para que a Prisa conseguisse, finalmente, vender a Media Capital, numa operação que, com a fusão da Cofina com a TVI, daria origem ao maior grupo de media do país, com presença em todos os segmentos, da televisão à rádio, passando pelos jornais, revistas e digital.

Contudo, os efeitos da pandemia do coronavírus nos mercados financeiros trocaram as voltas à realidade e levaram a Cofina a anunciar, esta semana, que a operação caiu por terra. O grupo argumentou que falhou o aumento de capital necessário para financiar parcialmente a operação, revelando mais tarde que o insucesso da operação se deveu à falta de um montante inferior a três milhões de euros.

Perante este desfecho, que apanhou o mercado de surpresa, a Prisa decidiu não dar o braço a torcer. A empresa, que se mantém dona da TVI, anunciou, também esta semana, que vai tomar todas as “medidas” para tentar obrigar a Cofina a adquirir a Media Capital. A empresa considera que foi a Cofina que violou o contrato de compra e venda.

Ora, perante as últimas informações, está instalado um braço-de-ferro entre os dois grupos que promete não ficar por aqui. Para já, fica a promessa da Cofina de revelar, “oportunamente”, os “fundamentos” que a poderão levar a rasgar definitivamente o contrato, mas fica também a ideia de que a Cofina ainda não deu o negócio como perdido.

Num contexto de queda acentuada nas audiências, e com a Media Capital a passar de lucros a prejuízos de 55 milhões de euros num ano, Paulo Fernandes poderá querer renegociar o preço com a Prisa. Até aqui, o negócio assentava num enterprise value da Media Capital de 205 milhões de euros, que já tinha sido revisto em baixa em 50 milhões. Para comparação, a Impresa, dona da SIC, estação líder de audiências, tem um enterprise value de 191,84 milhões, inferior ao da Media Capital.

(Notícia atualizada às 19h28 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina faz ultimato à Prisa. Considera que não tem de pagar 10 milhões da caução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião