Nem à quarta foi de vez. Prisa volta a falhar venda da TVI

A Prisa está há mais de dez anos a tentar vender a Media Capital. A Cofina foi a que chegou mais perto de concretizar a compra, mas um vírus agitou a operação e fez cair o negócio.

A Cofina desistiu da compra da Media Capital à Prisa, depois de um aumento de capital falhado que foi abalado pela forte volatilidade sentida nos mercados acionistas por causa da epidemia do coronavírus.

Desde a aprovação dos reguladores que a operação seguia a todo o gás, pelo que o fim do negócio foi recebido pelos investidores com surpresa. As ações da dona do Correio da Manhã caíram mais de 13%, já para não falar na declaração de guerra feita pela Prisa, que vai tentar forçar a operação por considerar que o acordo de compra e venda foi violado.

Sem prejuízo da investida da Prisa, esta foi a quarta vez que o grupo espanhol tentou alienar a Media Capital, mas mais uma vez sem sucesso. Antes da Cofina falhou a venda à Altice Portugal, e antes à Ongoing. Anda há mais de uma década a tentar desfazer-se do grupo de media português.

Portugal Telecom – 2008/2009

A Portugal Telecom, no tempo da presidência de Zeinal Bava, protagonizou uma tentativa de compra da Media Capital em 2009, um caso que gerou polémica e chegou a motivar uma comissão parlamentar de inquérito no ano seguinte, para investigar a alegada intervenção do Governo de José Sócrates no negócio.

Esta tentativa ter-se-á seguido a duas outras, em 2008, que acabaram por ser alvo de investigação judicial: uma que terá contemplado fundos ingleses; outra por parte do Taguspark que envolvia um administrador da PT e do próprio Taguspark, Rui Pedro Soares, alegadamente envolvendo 40% do capital da dona da TVI.

Além disso, segundo revelou nessa altura Miguel Paes do Amaral em 2010, a PT terá apresentado pelo menos três propostas para comprar o grupo de media entre 1998 e 2005.

Nenhuma destas operações foi concretizada.

Ongoing – setembro de 2009

A 28 de setembro de 2009, a já extinta Ongoing chegou a um acordo com a Prisa para comprar 35% da Media Capital. Mas a operação falhou meses depois, a 31 de março de 2010. Em causa estava o facto de a Ongoing, que era a dona do Diário Económico, controlar também uma participação de 23% na Impresa, dona do SIC e do Expresso, o que era visto como um entrave ao princípio da pluralidade dos media.

Na altura, a ERC chegou a dar um prazo ao grupo de Nuno Vasconcelos para que vendesse as ações da Impresa no mercado se quisesse mesmo comprar a TVI. Mas isso não chegou a acontecer e a Autoridade da Concorrência (AdC) não teve alternativa senão o chumbo do negócio.

Altice – julho de 2017

Depois de meses de especulação, a Altice Portugal anunciou em meados de julho de 2017 que chegou a um acordo com a Prisa para a compra da Media Capital, uma operação avaliada em 440 milhões de euros.

Passaram-se meses, nos quais o negócio mereceu oposição da Anacom e uma aprovação por diferimento tácito de um conselho regulador da ERC fragilizado. E mesmo depois de vários adiamentos, a Autoridade da Concorrência, que chegou a abrir uma investigação aprofundada ao dossiê, deixou passar o prazo acordado entre Prisa e Altice Portugal para a conclusão do negócio.

A operação falhou um ano depois, em meados de 2018, por desistência da Altice Portugal, apesar de ter acontecido na semana em que o regulador iria divulgar a decisão de chumbar o negócio.

Conferência de imprensa no dia em que a Altice anunciou a compra da Media Capital, no verão de 2017.Henrique Casinhas/ECO

Cofina – setembro de 2019

A 21 de setembro do ano passado, e depois de várias notícias a apontarem nesse sentido, a Cofina formalizou um acordo com a Prisa para a compra da dona da TVI. Desde essa altura, a operação seguiu de vento em popa, com a Cofina a ultrapassar as principais barreiras e a merecer, inclusivamente, a aprovação final da Autoridade da Concorrência. Mais: com a queda das audiências da TVI, a Cofina conseguiu mesmo um desconto de 50 milhões de euros, preparando-se para pagar 205 milhões de euros à Prisa pelo ativo.

Ora, na madrugada desta quarta-feira, a Cofina revelou que desistiu da operação. Em causa, o facto de o aumento de capital ter coincidido com a epidemia do coronavírus, que tem provocado a desvalorização generalizada dos ativos de risco. Perante o degradar das “condições de mercado”, a Cofina abortou o aumento de capital, uma decisão que apanhou a Prisa de surpresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nem à quarta foi de vez. Prisa volta a falhar venda da TVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião