Não vai haver rutura no abastecimento de alimentos por causa do coronavírus, garantem agricultores

"Os portugueses podem estar perfeitamente assegurados que há uma cadeia de abastecimento perfeitamente estabilizada em sintonia com as áreas comerciais e com as cadeias de distribuição", garante CAP.

Numa altura em que está a aumentar a procura de produtos dos supermercados face à propagação do coronavírus em Portugal, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) garante que não haverá “seguramente” uma rutura na cadeia de abastecimento de produtos alimentares. “É uma oportunidade para as pessoas darem atenção à fruta da época”, sugeriu Eduardo de Oliveira e Sousa, à saída da reunião desta quarta-feira da Concertação Social.

“Os agricultores estão perfeitamente sintonizados para que as cadeias de abastecimento de produtos alimentares sejam asseguradas“, disse o presidente da CAP, em declarações aos jornalistas. O representante dos agricultores confirmou ainda que “há um esforço” nas cadeias de distribuição para que não haja quebra no abastecimento de produtos.

Oliveira e Sousa sublinhou a situação atual é até uma “oportunidade para as pessoas darem atenção à fruta da época”. “Não vai haver falta de fruta, não vai haver falta de legumes e os portugueses podem estar perfeitamente assegurados que há uma cadeia de abastecimento perfeitamente estabilizada em sintonia com as áreas comerciais e com as cadeias de distribuição”, garantiu.

O líder da CAP frisou, além disso, que não haverá problemas com os produtos alimentares, sobretudo os frescos: carne, leite, ovos, legumes e frutas. Oliveira Sousa admitiu que possa haver “quebras nos circuitos internacionais”, mas salientou que as cadeias nacionais serão capazes de assegurar o abastecimento de supermercados e lojas. “Nada de pensar que vai haver uma rutura, não haverá seguramente, desde que haja confiança da parte dos consumidores nos produtos portugueses”.

Esta quarta-feira, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição reportou “um ligeiro aumento de procura de produtos” nos super e hipermercados associado ao surto de Covid-19, ainda que tenha garantido que as unidades estão a funcionar com “total normalidade”.

Até ao momento, o coronavírus já infetou 62 pessoas em Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não vai haver rutura no abastecimento de alimentos por causa do coronavírus, garantem agricultores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião