Não vai haver rutura no abastecimento de alimentos por causa do coronavírus, garantem agricultores

"Os portugueses podem estar perfeitamente assegurados que há uma cadeia de abastecimento perfeitamente estabilizada em sintonia com as áreas comerciais e com as cadeias de distribuição", garante CAP.

Numa altura em que está a aumentar a procura de produtos dos supermercados face à propagação do coronavírus em Portugal, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) garante que não haverá “seguramente” uma rutura na cadeia de abastecimento de produtos alimentares. “É uma oportunidade para as pessoas darem atenção à fruta da época”, sugeriu Eduardo de Oliveira e Sousa, à saída da reunião desta quarta-feira da Concertação Social.

“Os agricultores estão perfeitamente sintonizados para que as cadeias de abastecimento de produtos alimentares sejam asseguradas“, disse o presidente da CAP, em declarações aos jornalistas. O representante dos agricultores confirmou ainda que “há um esforço” nas cadeias de distribuição para que não haja quebra no abastecimento de produtos.

Oliveira e Sousa sublinhou a situação atual é até uma “oportunidade para as pessoas darem atenção à fruta da época”. “Não vai haver falta de fruta, não vai haver falta de legumes e os portugueses podem estar perfeitamente assegurados que há uma cadeia de abastecimento perfeitamente estabilizada em sintonia com as áreas comerciais e com as cadeias de distribuição”, garantiu.

O líder da CAP frisou, além disso, que não haverá problemas com os produtos alimentares, sobretudo os frescos: carne, leite, ovos, legumes e frutas. Oliveira Sousa admitiu que possa haver “quebras nos circuitos internacionais”, mas salientou que as cadeias nacionais serão capazes de assegurar o abastecimento de supermercados e lojas. “Nada de pensar que vai haver uma rutura, não haverá seguramente, desde que haja confiança da parte dos consumidores nos produtos portugueses”.

Esta quarta-feira, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição reportou “um ligeiro aumento de procura de produtos” nos super e hipermercados associado ao surto de Covid-19, ainda que tenha garantido que as unidades estão a funcionar com “total normalidade”.

Até ao momento, o coronavírus já infetou 62 pessoas em Portugal.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não vai haver rutura no abastecimento de alimentos por causa do coronavírus, garantem agricultores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião