Nove meses depois, Moody’s tira rating do BPI do “lixo”

Agência de notação financeira anunciou esta quarta-feira a revisão em alta do rating do banco liderado por Pablo Forero.

A Moody’s tirou o rating do BPI do “lixo”. A agência de notação financeira anunciou esta quarta-feira a revisão em alta, com base no reforço dos capitais do banco, que passa para o nível “Baa3” com perspetiva “estável”. Este é o primeiro nível de investimento de qualidade e a ação representa o fim de um período de nove meses em que o banco foi visto como investimento especulativo.

A agência de rating subiu a classificação tanto do rating do BPI e como da dívida sénior ordinária de longo prazo do banco. “A ação de rating tomada hoje [quarta-feira] reflete a emissão de 450 milhões de euros em dívida sénio não preferencial, que teve lugar a 6 de março de 2020 e foi totalmente subscrita pela empresa-mãe CaixaBank”, explica o relatório da Moody’s.

A emissão teve como objetivo reforçar os passivos elegíveis para cumprimento do requisito futuro de MREL (requisito mínimo de fundos próprios e créditos elegíveis), que obriga os bancos europeus com importância sistémica a constituir uma almofada financeira adicional para fazer face às dificuldades. A Moody’s acrescentou que esta emissão “aumenta o volume de dívida sénior subordinada não segurada que absorve perdas e, por isso, diminui os níveis de perdas para os credores seniores em caso de falência”.

Com a notação de rating agora atribuída pela Moody’s, o BPI passa a ter classificação de investment grade para de longo prazo pelas três agências internacionais: Fitch Ratings, Moody’s e S&P Global Ratings.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nove meses depois, Moody’s tira rating do BPI do “lixo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião