Setor hoteleiro teme perder metade das receitas com a pandemia

O coronavírus está a ter impactos no setor hoteleiro e, até ao momento, já provocou uma perda superior a 30% nas receitas dos hotéis. Mas o setor admite que essa perda pode chegar aos 50%.

Já se antecipava o impacto do coronavírus no setor hoteleiro e, até ao momento, já provocou uma perda superior a 30% das receitas nos hotéis. Contudo, a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) admite que a quebra de receitas deverá mesmo chegar aos 50% entre março e junho, até um máximo de 800 milhões de euros. No final do ano, a perda total para a hotelaria deverá ser de 20%.

Estas são as conclusões de um inquérito feito pela AHP aos seus mais de 400 associados, que representam 56% de todo o setor nacional, e apresentado esta quinta-feira. Durante o período entre 2 e 9 de março, 71% dos hotéis sentiu que a taxa de cancelamento foi superior à verificada no ano passado, com essa perceção a ser especialmente sentida no Porto e em Lisboa.

Indo diretamente ao assunto, a maioria dos hotéis já sente que está a ser afetada pelo coronavírus. Em números concretos, entre 2 e 9 de março, registaram-se 346.497 noites canceladas. Em fevereiro, estes cancelamentos não tiveram muita expressão, em março verificou-se uma taxa de cancelamento superior a 10%, diminuindo em abril e voltando a ter pouca expressão para maio, mostra o inquérito.

Cristina Siza Vieira, CEO da AHP, não tem “qualquer dúvida de que há uma pandemia económica também”. “Quanto mais tempo passar sem uma solução a vista, mais nos podemos aproximar do pico da crise económica”, disse a responsável.

Assim, para o futuro, a associação traça dois cenários possíveis para o período entre 1 de março e 30 de junho. O primeiro diz que as quebras de receita os hotéis podem chegar aos 30%, o equivalente a uma perda de 500 milhões de euros. Já o segundo antecipa uma quebra de 50% nas receitas, o equivalente a uma perda máxima de 800 milhões de euros.

“Provavelmente temos de pensar que a média destes quatro meses será de 50%”, disse o presidente da AHP, estimando que uma redução de 50% “é bem mais provável” do que uma redução de 30%. “Se estimarmos isso, chegaremos ao final do ano com menos 20% de receitas. A expectativa deve andar por aí, se não for pior”, acrescentou Raul Martins.

O presidente da AHP disse ainda que “há algumas unidades hoteleiras que iam abrir em março e abril, e que já não vão abrir”. Esse tipo de situações vai ser mais sentido no Algarve, explicou, referindo que as mesmas “estão a contar que em junho haja uma situação de recuperação e de acalmia da pandemia”.

(Notícia atualizada às 11h59 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor hoteleiro teme perder metade das receitas com a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião