Galp reforça stock nas lojas e tem parte dos colaboradores em regime remoto

  • Lusa
  • 13 Março 2020

Galp anuncia maior stock nas suas lojas e compromete-se a implementar medidas “que garantam o regular funcionamento de infraestruturas para o país”, onde se inclui rede de postos e áreas de serviço".

A Galp anunciou esta sexta-feira que, face à evolução da Covid-19, reforçou o seu plano de contingência, disponibilizando, por exemplo, um maior stock nas suas lojas e sublinhou que metade dos colaboradores de instalações não industriais está em trabalho remoto.

“Em função da evolução da situação relativa à pandemia Covid-19 e das medidas ontem [quinta-feira] decretadas pelo Governo, a Galp atualizou e reforçou o seu plano de contingência com três objetivos prioritários – o bem-estar e a segurança dos colaboradores, a resiliência de todas as operações e o regular funcionamento das infraestruturas críticas e a resposta às necessidades dos consumidores e das empresas”, indicou, em comunicado, a empresa.

Assim, além das medidas “que garantem o regular funcionamento de infraestruturas críticas para o país”, onde se inclui a rede de postos e áreas de serviço, a Galp tem em curso um plano de resposta às necessidades dos cidadãos, por exemplo, através do reforço de stocks nas suas lojas.

A petrolífera referiu ainda que, desde a passada sexta-feira, pelo menos 50% dos seus colaboradores de instalações não industriais estão em regime de trabalho remoto.

No final de fevereiro, a empresa já tinha tomado um conjunto de medidas preventivas, onde se inclui a suspensão das viagens previstas para as áreas afetadas pela agora pandemia, a restrição de viagens a casos de estrita necessidade, “prevalecendo o uso da teleconferência” e a introdução do regime de home office (teletrabalho), por duas semanas, para as pessoas regressadas de áreas afetadas.

Na sessão desta sexta-feira da bolsa, as ações da Galp subiram 1,42% para 8,57 euros.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5.000 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde (OMS) a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 134 mil pessoas, com casos registados em mais de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 112 casos confirmados.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou esta sexta-feira o número de infetados e registou o maior aumento num dia (34), ao passar de 78 para 112, dos quais 107 estão internados.

A região Norte, com 53 infetados, continua a ter o maior número de casos confirmados, seguida da Grande Lisboa, cujo registo duplicou para 46, enquanto as regiões Centro e do Algarve têm cada uma seis casos confirmados. Além destas, há um caso assinalado pela DGS no estrangeiro.

O boletim epidemiológico assinala também que, desde o início da epidemia, a DGS registou 1.308 casos suspeitos (mais de o dobro em relação a quinta-feira) e mantém 5.674 contactos em vigilância.

O Governo decidiu declarar o estado de alerta em todo o país, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

A restrição de funcionamento de discotecas e similares, a proibição do desembarque de passageiros de navios de cruzeiro, exceto dos residentes em Portugal, a suspensão de visitas a lares em todo o território nacional e o estabelecimento de limitações de frequência nos centros comerciais e supermercados para assegurar possibilidade de manter distância de segurança foram outras das medidas aprovadas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp reforça stock nas lojas e tem parte dos colaboradores em regime remoto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião