“É provável” que Portugal tenha défice de 0,3% em 2020 por causa do vírus, diz agência S&P

  • Lusa
  • 14 Março 2020

Tendo em conta o cenário de crescimento incerto, "é provável" que Portugal volte a registar um défice orçamental de 0,3% este ano, antes de regressar a um excedente em 2021, considera a S&P.

A agência de notação financeira Standard and Poor’s (S&P) considera que os riscos para Portugal do surto do novo coronavírus são “consideráveis”, dada a exposição da economia ao setor do turismo, e prevê um défice em 2020.

Os riscos económicos do coronavírus são consideráveis, dado que mais de um quinto das receitas externas (e cerca de 8% do valor acrescentado bruto) vêm do turismo“, pode ler-se numa nota de análise à economia portuguesa a que a Lusa teve acesso, depois da S&P ter decidido manter o rating e perspetiva de Portugal (manutenção em BBB e positiva, respetivamente).

A S&P prevê ainda um “crescimento em U” da economia portuguesa começando no segundo trimestre, “à medida que a situação externa se desenvolve”.

“Tendo um pano de fundo de crescimento incerto, é provável que o orçamento volte a um défice [de 0,3%] este ano, antes de regressar a um excedente [de 0,2%] em 2021″, refere a S&P, que prevê que em 2019 se tenha registado um saldo orçamental positivo de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

Tendo um pano de fundo de crescimento incerto, é provável que o orçamento volte a um défice [de 0,3%] este ano, antes de regressar a um excedente [de 0,2%] em 2021.

Standard & Poor's

Em 2019, “um mercado de trabalho a fervilhar subiu as contribuições para a Segurança Social, os rendimentos pessoais, o IVA e os impostos corporativos, à medida que o gasto com juros baixou para perto de 0,2% do PIB”, justifica a S&P.

Em termos de crescimento económico, a agência norte-americana estima um crescimento do PIB de 1,3% em 2020 e de 1,9% em 2021.

Em termos de rácio da dívida pública face ao PIB, a S&P prevê que baixe dos 100% em 2023, “assumindo que a economia acelera novamente na segunda metade de 2020 e que o Governo regressa a um saldo primário acima de 3% do PIB em 2021”.

“Na assunção de que um abrandamento global não persiste para além de 2020, temos a expectativa que as dinâmicas orçamentais e económicas de Portugal continuem a melhorar”, pode ler-se na nota.

Face ao Covid-19, a S&P prevê uma descida no excedente da balança de serviços e no défice da balança de bens, neste último “em particular à medida que caem [as importações] de aviões e de bens duráveis”, com o petróleo a contribuir também para a descida nas importações.

“Esta é uma espada de dois gumes, pois baixos preços no petróleo significam menor procura externa, para além de uma volatilidade considerável nos mercados financeiros globais. A balança comercial a encolher (juntamente com menos crescimento) será, para além disso, marcada particularmente por menos exportações automóveis”, assinala a agência.

O impacto na despesa orçamental das medidas relacionadas com o novo coronavírus anunciadas são da ordem dos 300 milhões de euros, disse o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, à Lusa, na quinta-feira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“É provável” que Portugal tenha défice de 0,3% em 2020 por causa do vírus, diz agência S&P

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião