Espanha anuncia plano de choque para conter o Covid-19

Governo espanhol anunciou "estado de alarme" e um plano de choque para conter o Covid-19. Forças armadas envolvidas para garantir um país reduzido a "serviços mínimos".

O chefe do governo espanhol anunciou, esta noite, em direto, um conjunto de medidas adicionais, na sequência do decreto de quarentena obrigatória em todo o território, comunicada este sábado. “Em cada casa espanhola, é necessária uma garantia de que amanhã passará”, disse. “E assim poderemos voltar à rua, às esplanadas, levaremos e passaremos à recuperação social e económica, e à normalidade”, acrescentou o primeiro-ministro espanhol.

Pedro Sánchez começou a conferência de imprensa dizendo que o governo espanhol aprovou o “estado de alarme” já que o país “enfrenta uma emergência de saúde pública que requer decisões extraordinárias. Uma pandemia que é mundial e que supõe um prejuízo para a totalidade dos cidadãos”, explicou. A quarentena, com a duração de pelo menos 15 dias, “poderá prolongar-se se necessário e com o aval do Congresso. A autoridade competente será o governo de Espanha”, sublinhou o chefe do governo.

Graças ao estado de alarme decretado este sábado, o Executivo espanhol anunciou que todos os cidadãos espanhóis devem acatar as instruções “que sejam necessárias para garantir a saúde e a segurança” pelos ministros autorizados a dar ordens durante o estado de alarme. “Todos os corpos de polícia vão ficar sob ordens diretas do ministro do Interior”, disse, acrescentado que o Executivo contará com o apoio das Forças Armadas e do Exército, que estarão preparados para atuar se necessário.

Durante a quarentena, o primeiro-ministro sublinhou que está apenas autorizada a movimentação de cidadãos para supermercados, trabalho, farmácias, bancos, gasolineiras, entre outros. “Em qualquer dos casos, a cada deslocação deverão respeitar-se as recomendações”, disse na conferência de imprensa.

As escolas deverão manter a atividade educativa em modo online, ao contrário de museus, instalações desportivas, hotelaria e restauração — à exceção de entregas de comida ao domicílio — que devem ser encerrados a partir de segunda-feira. Já todas as atividades comerciais à exceção de medicamentos, alimentos, tecnologia, imprensa, animais de companhia e cabeleireiros, entre outros deverão ser encerradas. “A permanência em estabelecimentos comerciais deve ser a estritamente necessária”, sublinhou.

O chefe do governo espanhol recomendou ainda que os cidadãos evitem aglomerações e que, tanto clientes como empregados, mantenham pelo menos um metro de distância para evitar contágios.

A permanência em estabelecimentos comerciais deve ser a estritamente necessária.

Pedro Sánchez

Chefe do governo espanhol

“O vírus não distingue territórios nem cores políticas”, alertou o chefe do governo espanhol, apelando à união concertada da “grande nação que somos”. “Estamos perante o nosso verdadeiro inimigo, é um inimigo de todos e devemos combatê-lo juntos”.

“O impacto económico vai ser grande, as medidas que vamos ter de tomar, sobretudo para proteger da transmissão e isso vai ter impacto social e económico evidente”, alertou.

Pedro Sánchez disse ainda que o ministro da Saúde poderá impor ordens necessárias “para o abastecimento do mercado” e que o ministro da Mobilidade poderá tomar “decisões que sejam necessárias para garantir a mobilidade”, anunciando ainda que se reduzem para metade os serviços ferroviários de média distância. Garantiu ainda que o Governo vai manter a distribuição alimentar.

Este domingo, o primeiro-ministro António Costa reúne-se, por videoconferência, com o homólogo espanhol para traçar uma estratégia comum de contenção do coronavírus.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha anuncia plano de choque para conter o Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião