Galp Energia aguenta petróleo a 30 dólares? Aguenta até aos 25

Preços do petróleo sofrem maior tombo em 30 anos, arrastando ações das petrolíferas, incluindo a Galp Energia. Conseguirá a petrolífera nacional suportar o atual nível de preços do "ouro negro"?

A Arábia Saudita abriu a “guerra de preços” no mercado petrolífero, arrastando as cotações do “ouro negro” para a maior queda desde a Guerra do Golfo e ditando uma derrocada em bolsa das empresas do setor. A Galp Energia não escapa ao trambolhão, tendo as suas ações estado já a desvalorizar em torno de 25%, num dia em que a base da sua atividade –o petróleo — viu as suas cotações baixaram até à fasquia dos 30 dólares por barril. Impõe-se a questão: até que valores o “ouro negro” pode descer sem tornar inviável para a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva a exploração de petróleo?

A forte pressão vendedora que afetou o setor das petrolíferas acontece depois de o falhanço das negociações da OPEP no final da semana passada, ter levado a Arábia Saudita a sinalizar um corte agressivo nos preços de venda da matéria-prima. Isto ao mesmo tempo que anunciou um aumento de produção com o objetivo de inundar o mercado com crude, levando o preço do barril da matéria-prima a afundar mais de 30%. O preço da matéria-prima entretanto alivia, mas continua a cair 20%, negociando nos 35 e 32 dólares, em Londres e Nova Iorque, respetivamente.

As ações da Galp Energia não resistiram à onda de perdas que afetaram os títulos do setor, tendo chegado a tocar num mínimo de 8,634 euros — uma queda de 24,8% — neste arranque de sessão. Entretanto, as perdas aliviaram, mas ainda assim rondam os 15,71%, para os 9,676 euros.

A penalização do título não acontece, contudo, exclusivamente ao contágio das pares do setor, mas pelo efeito que o tombo das cotações do petróleo pode ter na atividade da própria Galp Energia, que vive sobretudo da exploração da matéria-prima. Quanto mais baixo for o valor a que a Galp Energia conseguir vender o petróleo que explora, menores são as suas receitas, maior a pressão sobre o seu negócio, e em consequência também menores os resultados que alcança. Em última instância pode mesmo haver o caso em que para a petrolífera mais vale “fechar a torneira” do que continuar a explorar petróleo.

Apesar do trambolhão, o nível a que as cotações do petróleo se encontram não põem em causa, para já, a atividade de exploração da Galp Energia. No Capital Day de 2020 levado a cabo em fevereiro, a petrolífera colocava em 25 dólares, o seu breakeven. Ou seja, o limite mínimo até ao qual as cotações do petróleo poderiam baixar sem que a atividade de exploração se tornasse economicamente inviável.

Os 25 dólares por barril correspondem a um valor médio, sendo que o custo para a Galp Energia varia consoante o local onde está a explorar petróleo. No caso do Brasil, que representa mais de 93% da produção total da petrolífera portuguesa, a exploração é mais onerosa, já que é feita no pré-sal. Já a restante parcela de cerca de 6% da produção da Galp Energia é gerada em Angola, onde o custo de exploração já será mais baixo.

Mas caso as cotações do petróleo desçam abaixo da fasquia dos 25 dólares, a viabilidade do negócio de exploração da Galp Energia já poderá ficar em causa. E este cenário de preços não está totalmente afastado. Os bancos de investimento com visões mais agressivas veem o preço do barril a poder chegar até aos 20 dólares. É o caso do Goldman Sachs que antecipa que perante este contexto de “guerra” entre os produtores de petróleo, o preço do barril possa mesmo cair até esse valor.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp Energia aguenta petróleo a 30 dólares? Aguenta até aos 25

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião