Marta Temido: “É previsível que a curva epidemiológica aumente até ao final de abril”

Ministra da Saúde voltou a apelar à responsabilidade individual, que deverá refletir-se na evolução da doença. "Todos somos poucos para parar o covid-19", disse Marta Temido.

“É previsível que a curva epidemiológica aumente até ao final de abril“, disse esta tarde Marta Temido, no habitual balanço diário a propósito do coronavírus. “Temos de nos preparar para este cenário e para esta realidade”, alertou a ministra, voltando a apelar à responsabilidade de cada um.

A ministra da Saúde apelou a que, em agregados em que um dos elementos seja profissional de saúde, a guarda das crianças fique a cargo do outro membro do casal.

Sobre as consultas não urgentes, que ontem a ministra tinha referido que seriam adiadas para libertar os serviços hospitalares, “a suspensão da atividade programada de caráter não urgente está já a ser comunicada”.

“Privilegia-se o atendimento em separado, o tratamento ambulatório e domiciliário”, referiu ainda Marta Temido, sobre os próximos passos de tratamento de eventuais contaminados com o coronavírus.

Todos somos poucos para parar o covid-19.

Marta Temido

Ministra da Saúde

Estamos a preparar o sistema de saúde da melhor forma possível“, anunciou, acrescentando que os profissionais que se disponibilizaram para reforçar os serviços de saúde, “se ainda não foram, serão contactados em breve”. “Todos somos poucos para parar o covid-19”, concluiu Marta Temido.

Graça Freitas, em seguida, disse-se surpreendida com a mobilização da sociedade a que tem assistido nas últimas horas. “É com imensa satisfação que vimos hoje, diversos setores a anunciar medidas, e medidas muito pertinentes”, disse a diretora-geral da Saúde.

A responsável da Direção-geral da Saúde recomendou ainda cuidados para o regresso ao trabalho, esta segunda-feira. “Amanhã vamos voltar ao trabalho e a primeira coisa a fazer é lavar bem as mãos antes de saúde de casa. Pegar num lenço para carregar no botão do elevador, por exemplo. Virar às costas ao parceiro, no elevador ou no transporte público, nesta fase vale. E continuar a não confraternizar de perto com quem trabalha connosco. Vamos organizar e manter a distância social. Quando se chega, lavar bem as mãos. Isto pode fazer a diferença”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marta Temido: “É previsível que a curva epidemiológica aumente até ao final de abril”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião