Shoppings só poderão atender quatro clientes por 100 metros quadrados

Espaços comerciais como shoppings só poderão ter no seu interior até quatro clientes por cada 100 metros. Nos restaurantes, atendimento é reduzido em um terço da capacidade.

Os espaços comerciais poderão receber no máximo quatro clientes por cada 100 metros quadrados a partir desta segunda-feira, medida que visa travar a propagação do coronavírus no país.

Segundo a portaria publicada este domingo em Diário da República, “a afetação dos espaços acessíveis ao público dos estabelecimentos de comércio a retalho, das grandes superfícies comerciais e dos conjuntos comerciais deve observar regra de ocupação máxima indicativa de 0,04 pessoas por metro quadrado de área“.

Os limites previstos nos números anteriores não incluem os funcionários dos espaços em causa e não se aplicam aos hipermercados e supermercados.

Em relação a restaurantes ou bares, o atendimento de clientes deve ser limitado em um terço da sua capacidade. Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, explicou este domingo que esta restrição também se aplica às zonas de esplanadas dos restaurantes.

Para tornar esta medida operacional, o Governo diz que os gestores, os gerentes ou os proprietários dos espaços comerciais devem “envidar todos os esforços no sentido de efetuar uma gestão equilibrada dos acessos de público e monitorizar as recusas de acesso de público, de forma a evitar, tanto quanto possível, a concentração de pessoas à entrada dos espaços ou estabelecimentos“.

“As soluções prescritas nos artigos anteriores podem vir a ser revistas se ocorrer a modificação das condições que determinam a respetiva previsão”, diz a portaria que entra em vigor já esta segunda-feira.

Portugal regista 245 casos de Covid-19, sendo que já houve duas recuperações.

(Notícia atualizada às 15h14 com declaração do ministro da Administração Interna)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Shoppings só poderão atender quatro clientes por 100 metros quadrados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião