Porto cria centro de rastreio. Vai fazer 400 testes ao Covid-19

De forma a evitar aglomerados só devem deslocar-se a este centro de rastreio pessoas previamente referenciadas e com marcação prévia. Numa primeira fase serão realizados 400 testes.

O Porto preparou o primeiro centro de rastreio, construído em Portugal, para o Covid-19. Este centro foi montado no Queimódromo e será destinado exclusivamente a pacientes suspeitos de infeção pelo coronavírus e previamente referenciados pelo SNS.

“Este modelo permite aos pacientes suspeitos de infeção e previamente referenciados pelo Serviço Nacional de Saúde deslocar-se até ao ponto de recolha, sem entrar em contacto com outras pessoas, reduzindo o risco de infeção em cada colheita até para os profissionais envolvidos”, explica a autarquia em comunicado.

A entrada neste centro de rastreio será controlada pela polícia e apenas funcionará por marcação prévia junto das autoridades de saúde, devendo os cidadãos deslocarem-se ao local apenas à hora da sua marcação para evitar constrangimentos de trânsito e aglomerados de pessoas.

Este modelo, pioneiro em Portugal, pode ser replicado noutras cidades do país e ajudar a salvar vidas.

Rui Moreira

Presidente da Câmara Municipal do Porto

O centro, cuja abertura terá lugar a 18 de março, estará “dotado com médicos de Medicina Geral e Familiar que aplicarão um inquérito epidemiológico e sintomático (RedCap) que avalia a necessidade de teste ou de outra orientação. Só se deverão deslocar ao local pessoas previamente referenciadas, já que o sistema não permitirá a execução de testes ad hoc“.

Este sistema vai permitir a realização de cerca de 400 testes diários numa primeira fase, podendo evoluir para perto de 700 testes por dia perante o agudizar da pandemia. Atualmente, de acordo com dados da DGS, existem 331 infetados, estando 374 cidadão a aguardar resultado.

“Este modelo, pioneiro em Portugal, pode ser replicado noutras cidades do país e ajudar a salvar vidas e, simultaneamente, a melhorar as condições de atendimento dos profissionais de saúde em contexto hospitalar“, refere Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, em comunicado.

Os resultados dos testes realizados neste centro desenvolvido pela Câmara Municipal do Porto, em parceira com a Unilabs e Administração de Saúde do Norte, serão depois enviados diretamente ao suspeito e às autoridades de saúde pública, acrescenta a autarquia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto cria centro de rastreio. Vai fazer 400 testes ao Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião