Setor dos eventos estima prejuízos de 250 milhões com cancelamentos

  • Lusa
  • 16 Março 2020

O setor dos eventos em Portugal estima até 250 milhões de euros em prejuízos com cancelamentos. A APECATE diz que 90% dos eventos dos seus associados foram cancelados.

A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) contabiliza que 90% dos eventos previstos pelos seus associados foram cancelados, estimando prejuízos até 250 milhões de euros, segundo informação divulgada esta segunda-feira.

“Os dados recebidos pelos associados [da] APECATE apontam para mais 90% de eventos cancelados, envolvendo cerca de 30.000 trabalhadores diretos, sem contar com os eventuais, os conhecidos recibos verdes”, lê-se na numa nota. Em outro comunicado, a APECATE avançou que “o setor já vive numa situação dramática, com todos os eventos paralisados e prejuízos estimados entre os 200 e os 250 milhões de euros, até à data e que aumenta todos os dias”.

A associação, que garante estar empenhada “em ter um papel ativo no acompanhamento da situação e na construção de medidas de combate a este ‘tsunami’ económico no setor”, garantiu que “a preservação dos empregos e manutenção das empresas abertas são as duas grandes linhas de ação da APECATE no panorama atual”.

Citado no comunicado, António Marques Vidal, presidente da APECATE, adiantou que o organismo quer “em primeiro lugar ouvir os empresários, ter acesso a dados que nos permitam uma análise do impacto que o setor está a sentir” e apelou à união, “sejam associados ou não” do organismo.

O mesmo responsável, recordando que o setor dos eventos é um dos primeiros a ser afetados pelos sucessivos cancelamentos, pede um esclarecimento de “algumas medidas já anunciadas, como o caso do recurso ao ‘lay-off’ e microcrédito, por exemplo”.

Segundo a associação, “há ainda muito a ser feito”, destacando “algumas medidas a serem tomadas no imediato para a sobrevivência das empresas como viabilizar o não pagamento de impostos”, ou o “adiamento do seu pagamento sem juros, já a partir de março”.

“As medidas apresentadas [pelo Governo], estão no caminho certo, mas algumas não têm em consideração a realidade do setor, colocando condições que não se conseguem cumprir, impedindo as empresas de ter acesso às mesmas e com isso serem ineficazes”, defende António Marques Vidal.

A associação diz que a portaria nº 71-A/2020, para apoio devido ao surto, “não dá resposta aos problemas atuais e tendo em consideração a presente data, já não evitará que as empresas que têm falta de tesouraria deixem de pagar os salários no fim deste mês”, segundo a informação hoje divulgada.

A APECATE pede a “abertura de linhas de crédito imediato dirigido a microempresas, médias empresas e nano empresas”, a possibilidade de “períodos de carência a empresas que tenham investimentos/dívidas à banca e, por fim, colocar em formação remunerada IEFP [Instituto do Emprego e Formação Profissional] profissionais freelancers/recibos verdes (que representam um número elevadíssimo de profissionais que fica sem qualquer apoio)”. A associação realçou ainda o papel do setor dos eventos, congressos e animação turística, que “serão certamente determinantes no arranque da economia”.

Por isso, a APECATE está já “em conversações com os órgãos competentes para definir estratégias para a retoma da economia, que envolvem campanhas de comunicação internas e externas, bem como ações mais concretas de rentabilização e criação de novas ofertas, aproveitando espaços atualmente devolutos, em espaços para eventos, nomeadamente em Lisboa e Porto”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor dos eventos estima prejuízos de 250 milhões com cancelamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião