Wall Street afunda 7% após novo corte de juros da Fed. Negociação foi suspensa

Investidores viram resposta concertada de uma série de bancos centrais como sinal de pânico em relação ao impacto do coronavírus na economia global.

Wall Street afunda após a reação dos bancos centrais para tentar conter o impacto do coronavírus na economia. A Reserva Federal norte-americana anunciou, este domingo, um pacote de medidas de emergência, incluindo o segundo corte de juros em menos de um mês. A forte queda levou à suspensão das negociações pela terceira vez numa semana.

O índice financeiro S&P 500 abriu a afundar mais de 7%, espoletando uma paralisação automática de 15 minutos. Já o índice Dow Jones tomba 9,71% para 2.490,47 pontos, enquanto para pontos e o tecnológico Nasdaq perde 6,12% para 482,15.

As perdas seguem-se ao anúncio de que a Fed cortou juros, em 100 pontos base, para um intervalo entre 0% e 0,25%, a par de uma nova ronda de compra de dívida num total de 700 mil milhões de dólares e de medidas de alívio para a banca. Por último, anunciou uma ação coordenada dos principais bancos centrais, incluindo o Banco Central Europeu (BCE), que visa amparar o dólar perante a disrupção que está a ser provocada pela pandemia do coronavírus.

Os bancos estão entre os títulos que mais caem esta segunda-feira, com o Bank of America, o JPMorgan Chase, o Goldman Sachs e o Citigroup a desvalorizem entre 10% e 15%. Também as retalhistas estão a reagir ao anúncio do fecho de lojas, como a Nike, que cai 11%, ou a Apple que perde 9,94%.

Está a formar-se uma inversão significativa nos próximos meses. A única questão é quão profunda é que se vai tornar”, alerta Neil Shearing, economista-chefe do grupo Capital Economics. “À medida que a escala da rutura, provocada pelo coronavírus, na economia e nos mercados se torna clara, parece provável que os investidores comecem a questionar cada vez mais se os decisores políticos já esgotaram a capacidade de resposta”.

Além da Fed, vários bancos centrais cortaram juros este fim de semana, incluindo no Japão, Austrália e Nova Zelândia, numa ação como não se via desde a crise financeira de 2008. Mas a decisão não foi suficiente para restabelecer o sentimento dos investidores e ações mundiais seguem em forte queda, enquanto as dívidas da Alemanha e dos EUA estão a servir de refúgio.

A par das ações, também o dólar e o petróleo estão em terreno negativo. O Brent de referência europeia afunda 12% para 29,77 dólares por barril, estando pela primeira vez desde 2016 abaixo dos 30 dólares. Já o crude WTI perde 10% para 28,75 dólares.

(Notícia atualizada às 14h00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street afunda 7% após novo corte de juros da Fed. Negociação foi suspensa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião