Incerteza e previsões ultrapassadas levam CFP a adiar relatório sobre contas públicas

Dada a "incerteza absoluta" relativa ao impacto do vírus, o Conselho das Finanças Públicas adiou a divulgação de um relatório sobre as contas públicas que estava agendado para esta quinta-feira.

A “incerteza absoluta” e a dificuldade de ter previsões atualizadas por causa do vírus forçou o Conselho das Finanças Públicas (CFP) a adiar a divulgação de um relatório sobre as finanças públicas em Portugal. A decisão foi anunciada esta terça-feira, 17 de março, e o relatório estava agendado para quinta-feira, 19 de março, sendo agora adiado para data ainda a definir.

Em causa está o relatório sobre as “Perspetivas económicas e orçamentais” até 2024, em políticas invariantes (apenas contando as medidas já legisladas), que o CFP publica duas vezes por ano — em março, em antecipação do Programa de Estabilidade (abril) e em outubro, em antecipação do Orçamento do Estado (outubro) — e onde atualiza o cenário macroeconómico e orçamental para os próximos quatro anos.

A entidade liderada por Nazaré Costa Cabral dá três justificações para o adiamento. A primeira refere-se à “incerteza absoluta e a volatilidade dos dados económicos relevantes associados à pandemia do COVID-19, no nosso país e à escala global”. A (quase) paralisação da atividade económica e a forte oscilação dos mercados financeiros têm marcado as últimas três semanas em todo o mundo.

A esta incerteza junta-se a imprevisibilidade do impacto das medidas de contenção e de política económica (nomeadamente estímulos orçamentais e monetários) que estão a ser tomadas pelos Governos e os bancos centrais, além de outras instituições como a Comissão Europeia ou o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Por último, o CFP argumenta que “os exercícios de previsão recentemente publicados por outros previsores, alguns incluindo já parte dos efeitos do surto pandémico, estão a ser rapidamente ultrapassados pelos acontecimentos”. A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) foi uma das instituições que já divulgou previsões desde que esta situação de saúde pública chegou à Europa, assim como a Comissão Europeia, mas ambas admitiam que os números dependem da duração e da dimensão do impacto económico provocado pelo novo coronavírus.

A nova data deste documento que traça as perspetivas das contas públicas para os próximos anos será comunicada “oportunamente”, refere o CFP, garantindo que “continuará a acompanhar pari passu o evoluir da situação macroeconómica e orçamental, por forma a garantir o cumprimento do seu mandato legal e a qualidade e credibilidade das suas projeções”. É também sob esta incerteza que os técnicos das Finanças estão a construir o cenário macroeconómico do Programa de Estabilidade, documento que tem de ser entregue a Bruxelas até 15 de abril.

No último relatório, publicado em outubro de 2019, o Conselho das Finanças Públicas antecipava um crescimento do PIB de 1,7% em 2020 e um excedente orçamental de 0,3% do PIB. Quanto ao PIB, o ministro das Finanças, Mário Centeno, já admitiu que este será revisto em baixa. Já o excedente “provavelmente” não vai concretizar-se, pelo menos em 2020, como admitiu ontem o primeiro-ministro, António Costa, em entrevista à SIC.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incerteza e previsões ultrapassadas levam CFP a adiar relatório sobre contas públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião