Wall Street volta a ceder 1% após segunda-feira negra

Bolsas americanas afundaram ontem mais de 10%, na pior sessão desde 1987. Hoje, após arranque positivo, voltaram às perdas, à medida que os analistas começam a apontar para uma recessão nos EUA.

Wall Street abriu a sessão em recuperação ligeira face às perdas acentuadas registadas esta segunda-feira. Mas poucos minutos depois inverteu para terreno negativo, numa altura em que o surto do coronavírus começa a afetar a maior economia do mundo. EUA vão a caminho de uma recessão.

O índice S&P 500 desvaloriza 0,28% para 2.379,43 pontos, ao mesmo tempo que o tecnológico Nasdaq cai agora 1,02% para 6.867,22 pontos. O industrial Dow Jones também estava a recuperar terreno, mas inverteu e cede 1,11%.

Isto acontece depois de os três índices terem afundado 12% na véspera. Foi a pior sessão em Wall Street desde a “Segunda-feira Negra” de 1987, em que os índices perderam 20% num só dia. Os investidores reagiram ao anúncio da Reserva Federal americana de baixar os juros para perto de 0% para estimular a economia e evitar maiores danos do impacto do surto do novo coronavírus.

Esta terça-feira, a Fed anunciou mais medidas para apoiar a economia e para assegurar que os bancos vão continuar a financiar as empresas e famílias.

“Há décadas que não tínhamos uma situação como esta, em que todas as indústrias e negócios são afetados em todo o mundo”, disse Randy Frederick, da Charles Schwab, citado pela Reuters.

O Presidente Donald Trump anunciou ontem que a maior economia do mundo não escapará muito provavelmente a uma recessão por causa do novo vírus. Vários países em todo o mundo estão a impor restrições à circulação das pessoas, fechando fronteiras, suspendendo ligações aéreas, pedindo às populações para ficarem em casa.

“Uma recessão é muitíssimo provável. A questão agora é: quando é que entramos em recessão“, disse Randy Frederick.

Segundo o site world meter, novo coronavírus já infetou desde dezembro 184.136 pessoas e o número de mortes subiu para 7.182. Há ainda 79.927 pessoas recuperadas.

(Notícia atualizada às 14h06)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street volta a ceder 1% após segunda-feira negra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião