Comissão Europeia tem 164 milhões para startups que ajudem a combater vírus

Comissão Europeia está à procura de startups e PME que estejam a criar tecnologias ou inovações que ajudem a combater a progressão do coronavírus. Programa tem 164 milhões de euros para atribuir.

A Comissão Europeia está à procura de startups e pequenas e médias empresas que tenham ou estejam a desenvolver tecnologias e inovações que ajudem ao combate do coronavírus.

A instituição europeia está a apelar a que estas empresas se candidatem “urgentemente” à próxima ronda de financiamento do Conselho Europeu de Inovação (EIC). As candidaturas ao financiamento total de 164 milhões de euros, que farão parte do programa de aceleração do EIC terminam esta quarta-feira, 18 de março, às 17h00, hora de Bruxelas.

Este programa, alerta ainda a Comissão Europeia, não tem pré-definidas prioridades ou candidatos e as candidaturas relacionadas com soluções para o combate à pandemia serão, ainda assim, “avaliadas da mesma maneira que as outras candidaturas”. “No entanto, a Comissão vai procurar rapidamente atribuir as bolsas e o financiamento (combinando grant e investimento em participações nas empresas) para as inovações relevantes que estejam relacionadas com o coronavírus, assim como facilitar o acesso a outras fontes de financiamento e investimento”, explica a instituição, no anúncio feito online.

A Comissão Europeia já está a acompanhar e a dar apoio a várias empresas que estão a trabalhar em inovações relacionadas com o novo Covid-19, tais como os projetos EpiShuttle, especializado em unidades de isolamento, o m-TAP, uma tecnologia de filtragem para remover material contaminado e ainda a MBENT, que ajuda a fazer o controlo da mobilidade humana durante a progressão da epidemia.

Este fim de semana, cerca de 120 startups portuguesas juntaram-se e criaram o projeto TECH4COVID19, que em apenas dois dias já deu origem a 12 projetos relacionados com a prevenção e combate ao coronavírus. A pandemia já matou mais de 7.100 pessoas no mundo inteiro e contabilizam-se, de acordo com os últimos dados revelados, mais de 180 mil contaminados. Em Portugal, as autoridades de saúde contabilizavam, um morto e 448 infetados esta terça-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia tem 164 milhões para startups que ajudem a combater vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião