Covid-19 já matou 7.182 pessoas e infetou mais de 180 mil em todo o mundo

  • Lusa e ECO
  • 17 Março 2020

Um total de 7.182 pessoas morreram devido a mais de 180 mil casos de contaminação identificados em 145 países e territórios, desde o princípio da pandemia, em dezembro.

O novo coronavírus já infetou desde dezembro 184.136 pessoas e o número de mortes subiu para 7.182, segundo o site world meter. Há ainda 79.927 pessoas recuperadas.

No entanto, segundo um outro balanço da AFP às 09h00 desta terça-feira, foram registadas mais de 180.090 contaminações em 145 países e territórios. Desde o último balanço às 17h00 de segunda-feira, foram registadas 56 novas mortes e 4.569 casos registados em todo o mundo.

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia eclodiu no final de dezembro, totalizou 80.881 casos, incluindo 3.226 mortes e 68.869 recuperações. Foram anunciados 21 novos casos e 13 novas mortes entre segunda e terça-feira, aponta a AFP.

Em outras partes do mundo, foram registadas até às 09h00 um total de 3.837 mortes (43 novas) para 99.215 casos (4.548 novas). Os países mais afetados depois da China são Itália, com 2.158 mortes para 27.980 casos, o Irão com 853 mortes (14.991 casos), Espanha com 309 mortes (9.191 casos) e França com 148 mortes (6.633 casos).

Desde as 17h00 de segunda-feira, a República Dominicana anunciou a primeira morte relacionada a vírus.

A Ásia totalizou 92.601 casos (3.360 mortes), Europa 63.941 casos (2.738 mortes), Médio Oriente Médio 16.594 casos (869 mortes), Estados Unidos e Canadá 5.085 casos (73 mortes), América Latina e Caraíbas 990 casos (oito mortes), Oceânia 450 casos (cinco mortes) e África 435 casos (10 mortes).

Em Portugal, foi registada na segunda-feira a primeira morte relacionada com o novo coronavírus e 331 casos de infeção.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 já matou 7.182 pessoas e infetou mais de 180 mil em todo o mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião