“Tão importante quanto o anúncio das medidas é que elas cheguem rápido”, diz António Saraiva

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal defende que, para fazer face à pandemia, é preciso remover os obstáculos burocráticos.

Depois de o Governo apresentar o pacote de estímulos para fazer face à pandemia do novo coronavírus, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) vem alertar que “tão importante quanto o anúncio das medidas é que elas cheguem rápido”. António Saraiva defende ainda que é preciso remover os obstáculos burocráticos.

As medidas “somam às anunciadas e vêm responder a situação”, mas é essencial a “rapidez da execução”, nota António Saraiva, em declarações à RTP 3. O presidente da CIP aponta, como exemplo, que a linha de crédito de 200 milhões anunciada pelo Governo na semana passada, “ainda não está operacional”.

“Há que remover obstáculos burocráticos, remover a complexidade e excessiva regulamentação europeia“, argumenta. O Governo adiantou esta quarta-feira que a linha de 200 milhões seria revista e flexibilizada nas condições de acesso. Foi também apresentado um conjunto de linhas de crédito no valor de três mil milhões, para as empresas dos setores mais afetados.

António Saraiva aponta ainda que a banca “não pode deixar de se adequar” à situação. “O sistema bancário são as veias que alimentam a economia, tem de estar mais do que nunca a bombar o sangue para que economia se mantenha viva”, defende. Entre as medidas apresentadas pelo Executivo encontra-se também a possibilidade de moratórias de crédito para as empresas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Tão importante quanto o anúncio das medidas é que elas cheguem rápido”, diz António Saraiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião