Empresas enviam declarações aos funcionários a autorizar ida para o trabalho

Perante o estado de emergência no país, há empresas que estão a enviar declarações aos seus funcionários para que possam sair de casa para se deslocarem aos postos de trabalho.

O Presidente da República decretou o “estado de emergência” em Portugal. Isto pode levar a restrições sérias na liberdade de circulação das pessoas. Por causa disso, já há empresas a enviar aos seus trabalhadores declarações para que sejam autorizadas deslocações de casa para o trabalho (e vice-versa) uma vez que as funções não podem ser executadas em regime de teletrabalho.

Muitas empresas não terão grandes problemas com estas restrições à circulação de pessoas, uma vez que podem continuar as suas atividades com os seus trabalhadores à distância, em regime de teletrabalho. Mas outras não o poderão fazer uma vez que isso exigirá a presença do trabalhador na execução das tarefas. Por exemplo, em setores industriais é necessário que os trabalhadores estejam presentes para manobrar as máquinas e assim a empresa continue a produzir.

Nesse sentido, há empresas a enviar aos seus colaboradores uma declaração em que explicam a razão pela qual é indispensável que o trabalhador possa deslocar ao seu posto. É um documento para que os trabalhadores possam mostrar às autoridades de segurança, uma espécie de um “visto” para que seja permitida a deslocação de casa para o trabalho e vice-versa.

Mais: o documento a que o ECO teve acesso — de uma empresa portuguesa com cerca 1.000 trabalhadores — também indica outras informações como o horário do funcionário em causa, a descrição das funções que explicam por que razão é necessária a sua presença, assim como a identificação da morada do local de trabalho.

A declaração é assinada pela entidade empregadora, que torna “oficial” o documento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas enviam declarações aos funcionários a autorizar ida para o trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião