Lisboa suspende recolha porta-a-porta de papel e plástico. Ecopontos continuam operacionais

A Câmara Municipal de Lisboa decidiu suspender "temporariamente" a recolha porta-a-porta de papel e plástico, por "motivos do combate à pandemia". Não desmobiliza no cumprimento das metas ambientais.

A Câmara Municipal de Lisboa decidiu suspender temporariamente a recolha de material reciclável porta-a-porta, tal como papel e plástico, por “motivos do combate à pandemia”. A autarquia sublinha, no entanto, que a recolha de resíduos seletivos nos Ecopontos mantém-se.

Num comunicado, o município liderado por Fernando Medina esclarece que continua comprometido com “as metas ambientais mais ambiciosas” e que a suspensão temporária da recolha porta-a-porta de material reciclável “em nada altera esse compromisso”.

Além desta suspensão, também vai parar a “recolha seletiva porta-a-porta de vidro em entidades comerciais”. Já os resíduos indiferenciados passarão a ser recolhidos três vezes por semana, assinala a autarquia.

Quanto aos serviços de recolha a pedido, como de objetos volumosos ou resíduos de construção, também se encontram suspensos. Ao mesmo tempo, os Parques de Apoio à Higiene Urbana, para entrega de resíduos volumosos e/ou específicos “estão encerrados ao público”, informa a CML.

Em contrapartida, mantém-se a recolha seletiva de porta-a-porta de biorresíduos (resíduos alimentares e similares) “nas entidades comerciais e no projeto-piloto doméstico na Alta de Lisboa”, indica, assim como, a recolha resíduos seletivos nos Ecopontos de superfície e subterrâneos.

Perante esta decisão, a autarquia apela para que as famílias que tenham pessoas infetadas (ou sob suspeita) coloquem os resíduos “em sacos de lixo resistentes e descartáveis, com enchimento até 2/3 (dois terços) da sua capacidade”, sendo que estes sacos devem ser colocados “dentro de um segundo saco, também devidamente fechado, e depositados no contentor de resíduos indiferenciados”, conclui.

A medida foi tomada por forma a garantir a proteção da saúde pública dos trabalhadores envolvidos na recolha de lixo. Em Portugal, o número de pessoas infetadas com coronavírus passou para 1.020, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pela Direção Geral de Saúde. Até ao momento estão confirmadas seis vítimas mortais, mais três face aos últimos dados avançados.

(Notícia atualizada às 15h34 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa suspende recolha porta-a-porta de papel e plástico. Ecopontos continuam operacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião