Plataforma de Media Privados defendem “medidas urgentes” para setor

  • ECO
  • 20 Março 2020

A Plataforma de Media Privados manifestou a sua preocupação perante a ausência de um programa de ação dirigido aos media, face aos impactos do novo coronavírus, e defendeu "medida urgentes".

O Governo apresentou um conjunto de medidas para mitigar o impacto económico do novo coronavírus nos diversos setores em Portugal. No entanto, apesar de encarar positivamente as medidas anunciadas pelo Executivo, a Plataforma de Media Privados (PMP), que reúne cinco grupos de média privados, apela para a criação de um programa dedicado aos media.

A Plataforma, que representa os grupos Cofina (que detém o Jornal de Negócios e a Correio da Manhã, entre outras publicações), Global Media (dono da TSF, Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Dinheiro Vivo, entre outros), Media Capital (TVI, Rádio Comercial, entre outros), Público e Renascença considera que a atual crise “terá fortes impactos negativos em todo o tecido económico e social”, nomeadamente na queda de receitas, “os fortes acréscimos de custos, as dificuldades na produção, logística e distribuição de publicações”, aponta em comunicado.

Nesse sentido, a PMP considera que “se nada for feito” para apoiar os grupos de media, que pretendem “manter-se ao serviço de todos”, poderá estar comprometida a sobrevivência dos mesmos.

Perante isto, a plataforma pede “medidas urgentes” ao Governo, apontando que “não pode deixar de exprimir a sua surpresa e preocupação face à ausência de um programa de ação dirigido aos media“. E adianta: “Pelos profundos impactos da atual crise sobre o setor, não esperamos menos do que o previsto para os setores do turismo e da cultura”.

Apesar de encarar positivamente as medidas anunciadas pelo Governo no tocante à flexibilização das contribuições tributárias, registamos que nada é avançado para eliminar a situação de imoralidade fiscal de que beneficiam as plataformas e outros concorrentes globais instalados no nosso território“, aponta a PMP.

“A introdução de obrigações sobre estes atores permitiria, a um tempo, mitigar os efeitos orçamentais negativos da crise e introduzir decência no mercado, agora especialmente fragilizado”, prossegue ainda a Plataforma de Media Privados.

A plataforma refere ainda que o estado de emergência decretado pelo Presidente da República e em vigor até dois de abril “não deve colocar entraves ao funcionamento da cadeia de valor informativa, da produção à distribuição, incluindo a manutenção dos pontos de venda”, pois “não teremos forma de cumprir a nossa missão se tal não se verificar, e todos ficaríamos a perder“, alerta.

Por fim, a PMP “manifesta o seu total empenho na ultrapassagem da grave crise sanitária provocada pelo vírus covid-19”, referindo que os media portugueses “têm demonstrado uma abnegação sem reservas, não se furtando a riscos e sacrifícios no exercício da sua missão”.

Na quinta-feira, o Dinheiro Vivo noticiou que a PMP, constituída pelos grupos editoriais Cofina, Global Media, Impresa, Media Capital, Público e Renascença, vai pedir um plano de resgate para os media em Portugal para mitigar o impacto da pandemia do novo coronavírus.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plataforma de Media Privados defendem “medidas urgentes” para setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião